Sienna Miller vai à Justiça para combater "assédio" de paparazzi

quinta-feira, 30 de outubro de 2008 15:51 BRST
 

LONDRES (Reuters) - O advogado de Sienna Miller disse à Alta Corte de Londres na quinta-feira que a vida da atriz britânica vem se tornando intolerável devido à "campanha de assédio" travada por fotógrafos.

Estrela de filmes como "Alfie - O Sedutor" e "Nem tudo é o que parece", a atriz de 26 anos está tomando medidas judiciais contra a agência fotográfica britânica Big Pictures e seu fundador, Darryn Lyons, alegando que eles são culpados de assédio e invasão de privacidade.

Numa audiência preliminar, seu advogado, David Sherborne, disse que a conduta deles causou "alarme substancial, medo e enorme incômodo" a sua cliente, informou a Press Association. A agência fotográfica e Lyons estão contestando as alegações.

A vida particular de Miller e especialmente suas relações amorosas viraram tema recorrente da imprensa britânica. Praticamente não se passa um dia sem que sua foto apareça nas colunas de fofocas do show business dos jornais.

Sherborne disse que a atriz vem sendo alvo de "uma campanha de assédio" desde o final de junho, que continuou "apesar de pedidos de que desistissem". Ele disse ao tribunal que a "perseguição implacável" chegou a tal ponto que viola os direitos humanos de Sienna Miller.

O tribunal ouviu que Miller, que não esteve presente à audiência, foi perseguida enquanto dirigia seu carro e que houve "outras formas de intimidação ou abuso físico ou verbal, em suas tentativas de obter fotos dela para exploração comercial".

Outros incidentes incluíram um em que Miller foi confrontada diante de sua casa em Londres, em junho, ser perseguida a caminho do aeroporto de Heathrow em várias ocasiões e perseguida quando tentou sair com sua mãe para levar seus cachorros para passear num parque.

Miller alega que o assédio continuou quando ela esteve fora do país.

O juiz Eady disse que o julgamento terá lugar na primeira data disponível a partir de 12 de janeiro.   Continuação...