Polanski pede anulação de acusação sexual de décadas atrás

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008 11:32 BRST
 

Por Jill Serjeant

LOS ANGELES (Reuters) - O cineasta premiado com o Oscar e foragido da Justiça Roman Polanski pediu a um tribunal de Los Angeles, na terça-feira, que anule uma acusação contra ele, que já dura 30 anos, de ter tido relações sexuais ilegais com uma menor de idade, disseram os advogados do diretor.

Polanski, que está com 75 anos, fugiu dos Estados Unidos em 1978 para evitar cumprir pena de prisão, depois de confessar-se culpado de ter feito sexo ilegalmente com uma garota de 13 anos.

Os advogados do cineasta disseram que têm em mãos evidências novas, obtidas graças a um documentário lançado este ano, que revelam "erros de conduta judicial e da promotoria que distorceram o processo legal de tal forma que os interesses da justiça só podem ser alcançados com uma anulação completa do caso."

Diretor de clássicos do cinema como "O Bebê de Rosemary" e "Chinatown", Polanski tem cidadania francesa e não pode ser extraditado para os Estados Unidos.

Atacado pela imprensa americana na época, o cineasta franco-polonês nunca mais retornou aos EUA, apesar de ter recebido o Oscar de melhor diretor em 2003 pelo drama "O Pianista", sobre a 2a Guerra Mundial.

Uma nova equipe de advogados que o representa registrou na terça-feira um pedido formal de anulação do processo criminal na Corte Superior do Condado de Los Angeles.

O incidente rendeu a Polanski várias acusações na época, incluindo o de estupro com uso de drogas. Mas, num acordo judicial, ele se confessou culpado de sexo ilegal com uma menor de idade.

Ele já tinha passado 42 dias numa prisão da Califórnia para ser submetido a avaliação psiquiátrica, mas então fugiu do país antes de ser sentenciado.   Continuação...