Rowling é "feroz", mas justa em relação a Potter, diz editor

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008 18:02 BRST
 

Por Ian MacKenzie e Nick Zieminski

EDIMBURGO/NOVA YORK (Reuters) - O primeiro editor de J.K. Rowling, que acreditou em Harry Potter depois de várias editoras terem rejeitado o menino mago, descreveu a escritora como "feroz", mas justa nas relações de trabalho.

Barry Cunningham, 55, trabalhava na editora britânica Bloomsbury em meados dos anos 1990, quando recebeu um manuscrito de "Harry Potter e a Pedra Filosofal".

"Quando recebi o livro, eu não sabia que todo o mundo no universo já o rejeitara, então o li e adorei", disse Cunningham à Reuters em Edimburgo na quarta-feira.

"O que gostei realmente foi a amizade das crianças, o apoio que davam um ao outro e o fato de conseguirem superar tantas dificuldades. O mundo adulto estava contra eles, e eles se uniram para superar isso."

Cunningham falou na Biblioteca Nacional da Escócia, que está expondo sua cópia de "Os Contos de Beedle, o Bardo", uma de sete cópias manuscritas e ilustradas que Rowling fez de sua nova coletânea de contos de fadas.

Ela deu seis dos exemplares de presente, e o sétimo foi comprado em leilão no ano passado pela Amazon.com por 4 milhões de dólares.

Num evento semelhante nos Estados Unidos, outro exemplar dado a Arthur Levine, co-editor de Harry Potter na editora Scholastic, foi exposto na Biblioteca Pública de Nova York.

O presidente da biblioteca, Paul LeClerc, comentou: "Ela (Rowling) nos mostrou de modo dramático a importância que os livros ainda têm para os leitores, numa era em que alguns questionam o futuro do livro."   Continuação...

 
<p>A escritora J.K Rowling, autora da s&eacute;rie Harry Potter REUTERS/Anthony Harvey/Files (BRITAIN)</p>