ESTRÉIA-Comédia "Rebobine, Por Favor" mostra paixão de cinéfilos

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008 12:34 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A comédia "Rebobine, Por Favor", novo filme do francês Michel Gondry, ("Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças") fala de um tipo de cinema cada vez mais raro. E isso não tem nada a ver com a substituição dos VHSs pelos DVDs, ou da película pelo digital. É um cinema que fala direto à emoção do público, feito com amor, seja pela arte ou pelo simples prazer de divertir.

No centro da comédia, que estréia em São Paulo e Rio de Janeiro, está tudo aquilo que se perde em nome do progresso - representado por uma locadora que resiste ao DVD e insiste em continuar alugando fitas. O dono da loja é o Sr. Fletcher (Danny Glover, de "Ensaio Sobre a Cegueira"), cujo negócio está ameaçado pela desapropriação de seu prédio antigo, entre outros problemas. Para não perdê-lo, precisa levantar fundos e reformar o local.

A fim de espionar os segredos de uma bem-sucedida rede de locadoras, Fletcher finge fazer uma viagem e deixa seu funcionário, Mike (Mos Def, de "Um Golpe de Mestre"), tomando conta do negócio. Porém, sempre por perto está Jerry (Jack Black, de "King Kong"), um mecânico neurótico sempre contra qualquer forma de autoridade.

Depois de um acidente, o corpo de Jerry fica todo magnetizado. Assim, quando ele entra na locadora, apaga o conteúdo de todas as fitas de vídeo com a eletricidade de seu corpo. Quando a Sra. Falewicz (Mia Farrow, de "Arthur e os Minimoys"), uma cliente fiel, vai fazer sua locação diária, eles precisam improvisar para que ela não perceba nada. Convencem-na a voltar mais tarde, enquanto eles mesmos refazem o filme que ela escolheu: "Os Caça-Fantasmas".

E assim começa uma série de remakes caseiros e toscos feitos pela dupla. As produções vão desde filmes de ação, como "A Hora do Rush 2" a dramas sentimentais como "Conduzindo Miss Daisy" - sempre com Jerry e Mike nos papéis centrais. Um dia, resolvem que precisam de uma mulher de verdade e convidam a balconista de uma lavanderia, Alma (Melonie Diaz).

O que ninguém esperava é que os filmes da dupla, que eles chamam de 'suecados', caíssem tanto no gosto do público do bairro. O sucesso vai exigindo uma produção cada vez maior e isso acaba integrando toda a comunidade, que andava dispersa e desanimada.

Infelizmente, o sucesso da empreitada acaba atraindo também a atenção de advogados, que vêm cobrar os direitos autorais dos estúdios e produtores. Não podendo mais 'suecar' filmes famosos, a dupla começa a fazer as suas próprias produções. A volta do dono da locadora muda novamente o rumo das coisas.

Antes de se tornar cineasta, Michel Gondry ficou famoso com videoclipes criativos para cantores como Bjork e bandas como White Stripes e Radiohead. Sua marca registrada se tornou um apuro visual e um trabalho de câmera e montagem sofisticados. Aqui, ele deixa de lado esse rigor técnico e concentra-se naquilo que o filme pede: a emoção.

Com seu final tocante, à la "Cinema Paradiso", "Rebobine, Por Favor" lembra a importância dos filmes como fenômeno cultural, não só como fórmula para ganhar dinheiro.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

 
<p>Elenco e o diretor da com&eacute;dia "Rebobine, por favor" posando para foto no Festival Sundance de cinema , em janeiro de 2008.REUTERS/Fred Prouser</p>