Aos 100 anos, diretor português Oliveira segue trabalhando

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008 15:35 BRST
 

Por Axel Bugge

LISBOA (Reuters) - O decano do cinema português comemorou seu 100o aniversário na quinta-feira, iniciando a produção de seu filme mais recente.

Numa indústria preocupada com o glamour juvenil, talvez seja difícil imaginar como Manoel de Oliveira consegue continuar fazendo filmes. Mas o centenário ainda vigoroso parece ter poucos segredos que expliquem sua longevidade, exceto por sua paixão pelo cinema.

"Este é o único dia da semana em que eu descanso", disse ele a jornalistas no sábado, quando interrompeu sua programação agitada para conceder uma rara entrevista coletiva à imprensa.

Indagado sobre qual é seu segredo para continuar ativo aos 100 anos, respondeu com humor discreto: "É o trabalho. O resto é comer, beber, dormir, fazer o que as outras pessoas fazem".

Oliveira, que é aclamado como poucos outros em seu país, fez seu primeiro filme 77 anos atrás - "Douro Faina Fluvial", um documentário de 30 minutos sobre a vida no rio Douro.

Desde então ele já dirigiu quase 50 filmes e recebeu diversos prêmios, incluindo dois Leões de Ouro em Veneza e uma Palma de Ouro em Cannes este ano pelo conjunto de sua obra.

A maioria das pessoas reduz suas atividades com a idade, mas Oliveira vem fazendo o contrário. Desde 1990 faz pelo menos um filme por ano, e não há final à vista em seus planos.

No ano passado ele concluiu "Cristóvão Colombo - O Enigma", em que sugeriu que Colombo fosse português. Além disso, ele e sua mulher atuaram no filme.   Continuação...