ESTRÉIA-"O Menino do Pijama Listrado" adapta livro sobre nazismo

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008 17:15 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Apoiado no sucesso do bestseller homônimo de John Boyne, o drama "O Menino do Pijama Listrado", do cineasta inglês Mark Herman, procura traduzir na tela a história de Bruno (Asa Butterfield), menino de 8 anos que se torna amigo de um garoto prisioneiro de um campo de concentração, apesar de ser filho de um oficial nazista (David Thewlis, o professor Lupin de "Harry Potter").

A novidade da história, que estréia no Brasil nesta sexta-feira, está em adotar o ponto de vista do menino Bruno, que não compreende à primeira vista a realidade que começa a ver pela janela de sua nova casa, cercada de muros altos e sempre guardada por sentinelas armados.

À distância, ele enxerga uma grande propriedade cercada por arame farpado e as estranhas roupas listradas de seus moradores.

Seu pai lhe garante que são "camponeses", trabalhando numa "fazenda". Um deles, Pavel (David Hayman), aliás, trabalha algumas horas por dia como ajudante na cozinha do oficial alemão, novo comandante do campo - que é nada menos do que Auschwitz, na Polônia, considerado como o maior campo de extermínio da 2a Guerra Mundial.

Como não são permitidas muitas conversas entre Pavel e Bruno, este decide contrariar a proibição de sua mãe (Vera Farmiga, de "Os Infiltrados") e sair dos limites de seu quintal, em direção à "fazenda" vista de longe. Do lado de lá do arame farpado está Shmuel (Jack Scanlon), menino judeu da mesma idade de Bruno, com quem ele começa uma amizade inesperada.

Bruno mantém em segredo estes contatos constantes com o novo amigo e que o farão, cada vez mais, entrar em conflito com alguns membros da família. Sua irmã mais velha, Gretel (Amber Beattie), está tornando-se gradualmente mais fanática pelo nacionalismo hitlerista, fruto da educação recebida através de um professor particular - ali onde estão, não há escolas.

A divisão também se instala entre o casal, já que a mãe desconhecia a extensão das atividades do campo agora comandado por seu marido, incluindo câmaras de gás que espalham, de tempos em tempos, um estranho cheiro nas redondezas.

A mesma discordância já ocorria antes entre os avós do menino. Sua avó materna (Sheila Hancock) inclusive se recusa a visitar o filho em seu novo posto, porque discorda da política nazista da "solução final", ou seja, a eliminação física de judeus e outros grupos visados pelo regime.

Com uma censura indicada para maiores de 12 anos, "O Menino do Pijama Listrado" consiste de uma fábula sentimental, que toma muitas liberdades para retratar essa hipotética amizade entre os dois meninos - e que, se se tratasse de um filme realista, não poderia desenvolver-se exatamente desta maneira.   Continuação...