Mexicano Carlos Slim pode investir no New York Times

domingo, 18 de janeiro de 2009 14:05 BRST
 

Por Robert MacMillan

NOVA YORK (Reuters) - O jornal The New York Times está em negociações para obter centenas de milhões de dólares do bilionário mexicano Carlos Slim, disse uma fonte à Reuters no sábado, numa ação que poderia dar ao jornal uma injeção de capital altamente necessária para pagar suas dívidas.

Um investimento de Slim, o segundo homem mais rico do mundo de acordo com a revista Forbes, também poderia ser um voto de confiança na família Ochs-Sulzberger, cujo controle do Times por mais de um século foi ameaçado por mudanças que abalaram as bases do setor jornalístico norte-americano.

O Times, que publica o jornal com o mesmo nome e também o The Boston Globe, bem como outros jornais nos Estados Unidos, lida com um declínio nas verbas publicitárias em um nível jamais visto por uma publicação jornalística.

De acordo com a fonte, o Times poderá dar a Slim, que já possui 6,4 por cento das ações da empresa, ações preferenciais sem direito a voto, mas com um dividendo anual.

O Times está planejando uma reunião especial do conselho na semana que vem para falar sobre o investimento, disse a fonte.

A notícia foi publicada pela primeiro vez pelo Wall Street Journal. Uma porta-voz do New York Times não quis fazer comentários.

O dinheiro poderia ajudar o Times a pagar 400 milhões de dólares em dívidas em uma operação de crédito que expira em maio.

O problema começou quando as rendas publicitárias começaram a cair e as margens de lucro começaram a se erodir. Isto foi causado em parte pela queda na circulação à medida em que mais pessoas começaram procurar a Internet para obter notícias gratuitamente.

O declínio nos anúncios foi exacerbado pela crise financeira. Agora, jornais em cidades como Denver e Seattle podem fechar este ano porque suas editoras não conseguem mais mantê-los e não encontram ninguém para comprá-los.

As ações de Slim no Times valiam cerca de 128 milhões de dólares em setembro de 2008. Desde então, o valor das ações encolheu para cerca de 58 milhões de dólares. Na época, Slim descreveu seu investimento no Times como uma opção financeira em vez de estratégica.