ANÁLISE-New York Times pode encontrar um benfeitor em Slim

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009 12:52 BRST
 

Por Robert MacMillan e Noel Randewich

NOVA YORK/CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O New York Times já ouviu uma boa parcela de opiniões sobre o que deve fazer para sobreviver. O bilionário Carlos Slim parece pronto a deixar seu caixa promover o diálogo.

O magnata da área de telecomunicações de 68 anos, listado pela revista Forbes como o segundo homem mais rico do mundo com uma fortuna estimada em 60 bilhões de dólares, poderá colocar milhões deles na Times Co. O conselho de administração do jornal espera se reunir esta semana para discutir o assunto, segundo uma fonte familiar às negociações.

Slim já combateu acusações no México de práticas anticompetitivas e monopolistas. Mais recentemente, ele ficou conhecido por doar milhões para obras de caridade.

Suas intenções com o Times também poderão ser, de forma similar, filantrópicas.

Alguns especialistas em mídia dizem que Slim dificilmente irá tentar forçar a família Ochs-Sulzberger, que comanda o New York Times por mais de um século, a vender o controle ou promover mudanças drásticas na companhia.

O próprio Slim afirmou, quando divulgou a compra de 6,4 por cento das ações do jornal em setembro do ano passado, que seu interesse era puramente financeiro.

"Isso faz dele o investidor ideal", afirmou Alex Jones, professor da Universidade de Harvard e autor do livro "The Trust", considerado uma biografia definitiva sobre o New York Times e a família Sulzberger.

"Esse é um homem que já fez sua fortuna e está em sua trajetória de empreendedorismo como o patriarca Adolph Ochs, do Times", disse Jones. "Isso o torna diferente de outros investidores financeiros em busca de uma oportunidade de dominar uma companhia."   Continuação...