ESTREIA-Vermes cantam e dançam em "Barry e a Banda das Minhocas"

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009 14:38 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Poucas semanas depois da estreia da animação brasileira "O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes", chega aos cinemas do país outro desenho, "Barry e a Banda das Minhocas", que também coloca em cena a alegria de animais que passam quase despercebidos no mundo real.

Pode ser estranho ver um filme protagonizado por insetos ou vermes, mas não deixa de ser uma novidade diante da onda de cachorrinhos, gatinhos e ratinhos que tem assolado as animações destinadas ao público infantil. Até porque, como prova este filme, as minhocas podem ser bem descoladas.

A animação, que estreia apenas em cópias dubladas, é protagonizada por Barry, um jovem minhoca cansado da fama de sua espécie, de comer terra e ter só terra na cabeça. Sem muita perspectiva, seu futuro deve ser como gerente de uma empresa de adubo.

Quando por acaso um disco de vinil entra na vida do verme, ele descobre a dança. Dançar se torna a sua forma de rebelião contra o mundo e contra seu destino enfadonho.

Mas só mexer seu corpo cilíndrico não será o bastante. Barry quer mais e monta uma banda de minhocas. Seria simples ganhar o concurso de música do jardim, se as minhocas tivessem ritmo.

Sem baixar sua cabeça cheia de terra, o protagonista decide seguir em frente, e concorrer mesmo assim. As dificuldades são enormes, porque cada um dos membros da banda tem seu próprio ritmo para a música e nunca tocam afinadamente.

Não bastassem os problemas internos, há os externos -- minhocas não podem participar do concurso e algum jardineiro pode enfiar uma pá no jardim, o que pode colocar tudo a perder.

Dirigido pelo dinamarquês Thomas Borch Nielsen, "Barry e a Banda das Minhocas" pode não trazer nada de novo no gênero, ao bater na surrada tecla das animações para o público infantil que diz: esforce-se, seja você mesmo, que no fim tudo dá certo. A boa notícia é que o filme não subestima a inteligência de ninguém.

Há também uma boa dose de criatividade. Afinal, a maioria das coreografias conhecidas de dança necessita de braços e pernas -- membros que as minhocas não têm. Por isso, é engraçado ver como os vermes se ‘requebram' apenas com seu corpo cilíndrico. Algo que nem a criativa Pixar havia pensado ainda.

(Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb