Detenções e "desacato" fazem ressurgir tensão na Bolívia

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009 13:06 BRT
 

LA PAZ (Reuters) - A detenção de pelo menos uma dúzia de opositores e uma acusação de "desacato civil" marcaram o ressurgimento da tensão entre o governo boliviano e a oposição em alguns distritos, segundo a imprensa local na quarta-feira.

Os novos incidentes aconteceram um dia depois do governo dar o pontapé inicial a um processo de ampliação de autonomias regionais, previsto na recentemente promulgada Constituição "Plurinacional e Socialista".

A detenção coletiva aconteceu durante a madrugada, no Departamento (equivalente a Estado) de Pando, ampliando o número de pessoas processadas pelo massacre de agricultores seguidores do presidente Evo Morales, ocorrido em setembro do ano passado. Este foi o incidente mais sangrento de uma onda de protestos contra o governo.

"Há ordens de detenção da promotoria, é a Justiça que está atuando e, aqui, o governo não se intromete", disse a repórteres o vice-presidente, Álvaro García, opondo-se aos protestos dos parlamentares de oposição, que chamaram a ação de "atropelo político".

Redes de rádio disseram que policiais vasculharam várias casas na capital de Pando, Cobija, e no pequeno povoado de Porvenir, onde aconteceu o massacre no qual o principal acusado é o ex-governador regional, Leopoldo Fernández.

"Pela manhã, os detidos foram levados de avião a La Paz, em meio a gritos e choro desesperado dos familiares", disse a rádio Erbol.

Entre os detidos, estão o prefeito de Porvenir e um ex-assessor de imprensa de Fernández, que acabam de voltar do Brasil, onde tinham se refugiado depois do que aconteceu em setembro, acrescentou a reportagem.