Autor de falsa história de amor no Holocausto pede desculpas

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009 15:40 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - Um sobrevivente do Holocausto, cujo livro de memórias foi cancelado no fim do ano passado depois de o editor descobrir que a história de amor descrita não era verdadeira, afirmou que simplesmente cometeu um erro.

"Eu cometi um erro e quero que a América me perdoe pelo erro, mas não tive a intenção de ferir ninguém", disse Herman Rosenblat, de 79 anos, na primeira entrevista desde que o livro foi cancelado em dezembro.

Falando da Flórida, onde vive, Rosenblat disse em um vídeo colocado no YouTube na noite de terça-feira que estava confuso sobre o que era real (here).

Durante anos, Rosenblat contou a jornais, revistas e programas de televisão a história de como conheceu sua futura mulher quando era adolescente preso em um campo de concentração nazista em Schlieben, na Alemanha, e que ela havia jogado maçãs e pão para ele pela cerca.

"Há 15 anos, comecei a escrever minhas memórias e minha mulher veio até mim e me contou que, quando ela estava se escondendo na Alemanha, jogou uma maçã pela cerca para um menino e eu acreditei que ele era eu. Na minha cabeça, acreditei que era comigo... e eu ainda acho que foi comigo", disse Rosenblat no vídeo.

Ele acrescentou que acreditou que a garota era um anjo enviado por sua mãe, que havia morrido no Holocausto.

Rosenblat, aposentado de origem polonesa que agora vive em North Miami Beach, na Flórida, disse em suas memórias que eles se encontraram de novo anos depois por acaso em um encontro às escuras em Nova York, apaixonaram-se e casaram.

O livro "Angel at the Fence, The True Story of a Love that Survived" (o anjo da cerca, a história verdadeira de um amor que sobreviveu) foi cancelado pela Berkley Books, selo do Penguin Group, depois que o agente de Rosenblat, Andrea Hurst, disse que ele inventou parte do livro.

As memórias, que deviam ser publicadas em fevereiro, foram submetidas a escrutínio público depois que diversos estudiosos contestaram algumas das afirmações do livro em um artigo na revista The New Republic. A história também deve virar um filme.   Continuação...