18 de Fevereiro de 2009 / às 23:59 / em 9 anos

Caricatura de chimpanzé em jornal de NY causa polêmica racial

NOVA YORK (Reuters) - Afro-americanos qualificaram na quarta-feira de racista uma charge do jornal New York Post que teria comparado o presidente Barack Obama a um macaco -- uma imagem forte em meio a uma longa história de racismo contra os negros.

A charge, que o jornal disse ser uma paródia da política norte-americana, mostra um policial baleando um macaco -- aludindo ao caso real de um chimpanzé de estimação que foi abatido a tiros nesta semana em Connecticut após atacar uma mulher. Na versão do Post, um dos policiais envolvidos diz: “Terão de encontrar outra pessoa para escrever a próxima lei de estímulo econômico”.

Na terça-feira, Obama sancionou um pacote de estímulo econômico de 787 bilhões de dólares, por cuja aprovação ele havia se empenhado diretamente. Críticos da charge interpretaram o chimpanzé morto como uma referência a Obama, que se tornou o primeiro presidente negro dos EUA em 20 de janeiro.

“A charge no New York Post de hoje é na melhor das hipóteses perturbadora dado o histórico de ataques racistas nos quais os afro-americanos são sinônimos de macacos”, disse o ativista dos direitos humanos Al Sharpton.

Qualificando o desenho como “ofensivo e divisivo”, ele prometeu realizar uma manifestação na quinta-feira diante da redação do Post.

O vereador Leroy Comrie disse ter recebido numerosos telefonemas de cidadãos indignados.

“Publicar uma charge tão violenta e racista é um insulto a todos os nova-iorquinos. (O caso real) foi um incidente lamentável no qual um ser humano ficou gravemente ferido, não uma oportunidade para lançar uma retórica perigosa”, disse Comrie em nota.

O chimpanzé de 90 quilos foi morto por policiais na segunda-feira em Stamford depois de ferir gravemente uma amiga de sua dona e atacar um carro da polícia. O animal, chamado Travis, chegou a estrelar comerciais de TV e atualmente tomava uma medicação.

Em nota, o editor-chefe do Post, Col Allan, disse que a charge era “uma clara paródia”. “Ela zomba em termos gerais dos esforços de Washington para ressuscitar a economia. Novamente, Al Sharpton se revela como nada mais do que um oportunista (em busca de) publicidade”, disse Allan.

Mas a Associação Nacional dos Jornalistas Negros disse que o desenho é “o mínimo denominador comum em termos de gosto e classe”. “O ‘publisher’ e os editores do New York Post devem uma explicação aos seus leitores”, disse a presidente da entidade, Barbara Ciara, em nota.

O Post, de tendências direitistas, pertence ao conglomerado internacional da mídia News Corp, propriedade do magnata Rupert Murdoch.

Reportagem de Christine Kearney e Edith Honan

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below