Kate Winslet fala sobre suas chances de Oscar

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009 16:01 BRT
 

Por Michael Davidson

BERLIM (Reuters) - Aclamada nos últimos meses por suas atuações em "Foi Apenas Um Sonho" e "O Leitor", Kate Winslet já enfeitou sua estante nesta temporada com dois Globos de Ouro e um prêmio Bafta.

Mas o prêmio mais importante de todos seria um Oscar, e, no próximo domingo, 22 de fevereiro, a atriz de 33 anos vai descobrir se o Oscar de melhor atriz, por seu trabalho em "O Leitor", será dela.

Winslet esteve no Festival de Cinema de Berlim este mês para discutir "O Leitor", baseado num romance de Bernhard Schlink sobre um adolescente que tem um caso com uma mulher muito mais velha, Hanna Schmitz (Winslet). Anos mais tarde, Schmitz é levada a julgamento por seu passado secreto como guarda de prisão nazista, e o garoto, agora estudante de direito, é forçado a confrontar seu próprio passado.

Pergunta: É temporada de premiações, e você tem estado em todas. Como isso vem sendo, e como você se prepara para isso?

Resposta: Não dá para se preparar. Não existe método. Eu bem que gostaria que houvesse aulas que nos ensinassem a lidar com isso. Eu descobri uma coisa a meu respeito que eu não sabia: sou emotiva demais para perder, e também para ganhar. Isso é uma descoberta grande.

Mas é uma coisa muito importante quando abrem aquele envelope e dizem 'e o prêmio vai para ... Kate Winslet'. De repente você pensa: 'essa sou eu, a garota de Reading, que de repente terminou aqui, nesta sala com todas essas pessoas importantes. O que diabos está acontecendo?' É algo muito surreal, e nada pode prepará-lo para isso, e, francamente, neste momento, eu simplesmente estou muito feliz e vou curtir o momento, porque estes são momentos muito raros para qualquer pessoa curtir, então vou aproveitar ao máximo.

P: Como você se preparou para o papel de Hanna Schmitz?

R: Representar Hanna foi complicadíssimo para mim por muitas razões, não apenas por estar representando uma alemã e ter que acertar o sotaque perfeitamente. Também porque eu precisei me transformar consideravelmente, fisicamente, ao longo do filme.   Continuação...