Museu encontra mensagem "secreta" em relógio de Lincoln

quarta-feira, 11 de março de 2009 08:52 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - Um relógio de ouro de Abraham Lincoln carrega uma mensagem marcando a estreia da Guerra Civil norte-americana, mas o presidente nunca soube da inscrição "secreta" descoberta na terça-feira pelo Museu Nacional da História Americana.

A gravação, feita pelo relojoeiro Jonathan Dillon, é datada de 13 de abril de 1861, e contém as seguintes mensagens: "O forte Sumpter foi atacado pelos rebeldes" e "graças a Deus nós temos um governo".

O museu disse que concordou em abrir o relógio para checar se a mensagem realmente estava lá depois de entrar em contato com seu tataraneto, Doug Stiles, de Waukegan, Illinois.

A Guerra Civil norte-americana começou quando as tropas confederadas abriram fogo no Forte Sumpter, em Charleston, no Estado da Carolina do Sul, no dia 12 de abril de 1861.

Quarenta e cinco anos depois, o relojoeiro Dillon disse ao jornal The New York Times que estava consertando o relógio de Lincoln quando ouviu que os primeiros tiros da Guerra Civil haviam sido disparados.

Dillon disse que desparafusou as peças do relógio e usou uma agulha para marcar o dia histórico no relógio do presidente. Ele disse ao jornal que, até que ele saiba, ninguém nunca tinha visto a inscrição.

"Lincoln nunca soube da mensagem que carregava em seu bolso", disse em um comunicado Brent Glass, diretor do Museu Nacional da História Americana. "É um lado pessoal da história sobre um relógio comum que foi inspirado para lembrar de algo para a posteridade."

Lincoln foi eleito o 16o presidente eleito dos Estados Unidos, em novembro de 1860. No decorrer da Guerra Civil, a Carolina do Sul e outros seis Estados se separaram da união antes da posse de Lincoln em março de 1861.

(Reportagem de JoAnne Allen)

 
<p>Um rel&oacute;gio de ouro de Abraham Lincoln carrega uma mensagem marcando a estreia da Guerra Civil norte-americana, mas o presidente nunca soube da inscri&ccedil;&atilde;o "secreta" descoberta na ter&ccedil;a-feira pelo Museu Nacional da Hist&oacute;ria Americana. REUTERS/Museu Nacional da Hist&oacute;ria Americana/Divulga&ccedil;&atilde;o (ESTADOS UNIDOS)</p>