March 19, 2009 / 4:56 PM / 8 years ago

ESTREIA-"Pagando Bem" faz piada com indústria da pornografia

3 Min, DE LEITURA

<p>Membros do elenco do filme "Pagando Bem, que Mal Tem?", Seth Rogen e Elizabeth Miller, na estreia do filme, em Los Angeles. 20/10/2008.Phil McCarten</p>

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado da pornografia, que hoje movimenta cerca de 13 bilhões de dólares ao ano, é motivo de sátira na produção do norte-americano Kevin Smith, "Pagando Bem, que Mal Tem?", que entra em circuito nacional.

Quem já assistiu a outros filmes do diretor, responsável pela saga dos amigos Jay e Silent Bob em "O Balconista" (1994) e "O Império (do Besteirol) Contra-Ataca" (2001), já sabe o que esperar: obscenidades, linguagem sexual e outras cenas de gosto duvidoso, somadas a uma ou outra boa piada.

O filme, que faturou 10 milhões de dólares na semana de estreia nos Estados Unidos, conta a aventura de Zack (Seth Rogen, de "Segurando as Pontas") e Miri (Elizabeth Banks, de "O Virgem de 40 Anos"), amigos desde a infância que compartilham a casa e os problemas financeiros. Mas a pilha de contas não pagas sobre a mesa só é levada a sério quando água e luz são cortadas.

Para levantar alguns trocados, a dupla decide realizar um filme pornô e vasculha pelo submundo do cidade até encontrar interessados em participar das filmagens. Durante o processo, eles descobrem que há mais do que amizade em seu próprio relacionamento.

Nos EUA, a MPAA (Motion Picture Association of America) pegou pesado com "Pagando Bem, que Mal Tem?", que foi por três vezes considerado impróprio para menores de 17 anos. Como o público de Smith é em sua maioria composto por adolescentes, o diretor resolveu apelar e o órgão concordou com a entrada de menores no cinema, desde que acompanhados pelos pais.

A discussão, no entanto, parece um pouco ingênua em tempos de Internet, em que sites como o PornTube e o YouPorn oferecem diversão adulta e gratuita a quem se declarar maior de 18 anos.

No filme de Smith, certa nostalgia toma conta do espectador mais atento e de mais idade. Uma das personagens é interpretada por Traci Lords, ícone do pornô nos anos 1970 e 1980, que, ao lado de Nina Hartley, Angela Summers e outras, ajudou a alavancar as vendas do videocassete.

Era época inocente, em que a subversão juvenil consistia em entrar na seção proibida da videolocadora e olhar a capa dos filmes. Hoje, John C. Rice e May Irwin, protagonistas de alguns antigos "pornôs" do cinema, como "The Kiss" (1986), corariam só de imaginar ao que assistem os adolescente do segundo milênio.

(Por Luara Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below