Estrela de Paul Rudd brilha com "Eu Te Amo, Cara"

sexta-feira, 20 de março de 2009 15:48 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - O ator cômico Paul Rudd já trabalhou em muitos empregos sem futuro, incluindo um em que cobria presuntos de gelatina, mas depois de anos trabalhando como coadjuvante em Hollywood, vários papéis recentes como protagonista estão fazendo dele um astro em ascensão.

O lançamento de sua nova comédia, "Eu Te Amo, Cara," que estréia nos cinemas dos EUA nesta sexta-feira, colocou sua imagem em outdoors e anúncios de promoção do filme, e mais do que nunca, espera-se que seu talento para fazer as pessoas rir ajude a vender ingressos para o cinema.

Rudd, 39, está se aproximando da carreira de comediantes da estirpe de Ben Stiller, Will Ferrell, Jack Black e Vince Vaughn, membros de carteirinha do chamado "Frat Pack" de Hollywood (um trocadilho com o "Rat Pack" de Sinatra, Dean Martin e outros) e seus colegas de elenco em "O Âncora - A Lenda de Ron Burgundy", de 1994.

Esses quatro ofuscaram Rudd durante anos, mas as coisas estão mudando. Ele está na capa da edição de abril da "Vanity Fair", um lugar reservado para os grandes nomes de Hollywood, ao lado de Jason Segel, outro protagonista de "Eu Te Amo, Cara", de Seth Rogen, de "Segurando as Pontas", e Jonah Hill, de "Superbad - O Filme".

"Estou adorando ser colocado lado a lado com esses caras, porque os acho talentosos e engraçados", disse Rudd à Reuters. "Ser visto como uma promessa no 'Frat Pack' é uma honra para mim."

Em "Eu Te Amo, Cara", Rudd faz o papel de Peter, um corretor de imóveis que acabou de ficar noivo mas não tem nenhum amigo próximo para ser padrinho de seu casamento. Peter sai à procura de um amigo e conhece o impetuoso mas engraçado Sydney Fife (Segel).

Mas enquanto Peter e Sydney começam a passar cada vez mais tempo juntos, sua noiva começa a se sentir deixada de lado.

O filme mostra como expressões da cultura pop "bromance" (algo como "romance entre amigos") e mandate (algo como "encontro entre homens") podem descrever a amizade entre homens, pois nada realmente se compara a um relacionamento amoroso.