"Sundance cubano" procura sobreviver à morte de Humberto Solás

sexta-feira, 10 de abril de 2009 12:16 BRT
 

Por Rosa Tania Valdés

HAVANA (Reuters) - O Festival de Cinema Pobre de Gibara, um espaço dinâmico para o cinema independente apelidado de "Sundance cubano", vai tentar este mês superar a morte de seu fundador, Humberto Solás, e a devastação de sua pitoresca sede por um furacão.

Seu diretor, Sergio Benvenuto, diz que o Festival de Cinema Pobre, que terá lugar este ano entre 13 e 19 de abril, vai manter seu dinamismo, com projeções de filmes e debates nas praças, cinemas e teatros de Gibara, uma vila de pescadores situada 800 quilômetros a leste de Havana.

O festival (www.festivalcinepobre.org) foi criado em 2003 por Solás, uma lenda do cinema cubano, inspirado no Festival Sundance de Cinema, criado por Robert Redford.

A mostra, dedicada ao cinema feito com pequenos orçamentos, foi crescendo até conquistar espaço no circuito internacional.

O festival ficou órfão em setembro passado com a morte de Solás, uma semana apenas depois de o forte furacão Ike ter devastado partes de Gibara.

"Estamos acostumados com obstáculos", disse Benvenuto, co-fundador do festival e sobrinho de Solás, em entrevista à Reuters. "Este ano o festival será forte, importante e sólido em todos os aspectos", acrescentou.

A partir da próxima semana, serão exibidos em Gibara mais de 260 trabalhos de cineastas independentes da América Latina, Alemanha, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Índia, Itália, Rússia e Suécia.

O espírito de Solás, diretor de clássicos do cinema cubano como "Lucía" (1968), "Un hombre de Exito" (1986) e "El siglo de las luces" (1991), estará presente nas ruas de paralelepípedos dessa cidade do início do século 19, com telhados vermelhos e frondosa vegetação tropical.   Continuação...