Homem é condenado por perseguir Tyra Banks

quinta-feira, 30 de abril de 2009 18:54 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - Um homem acusado de perseguir a apresentadora de TV e ex-supermodelo Tyra Banks foi condenado na quinta-feira por invasão de domicílio, assédio e perseguição, anunciaram promotores.

O veredicto contrário a Brady Green foi anunciado um dia depois de Banks depor na Suprema Corte do Estado de Nova York, dizendo que teme por sua segurança desde que Green ameaçou sua assistente.

Brady Green, 39 anos, foi preso em março depois de, segundo os promotores, ter aparecido duas vezes no estúdio em Manhattan onde é filmado o talk show diurno "The Tyra Banks Show".

Ele é acusado de ter contatado o programa repetidas vezes, enviando flores a Banks com um cartão dizendo "quando a vejo, amo você" e ameaçando cortar a garganta de sua assistente.

"Não temo por minha vida", disse Banks, 35 anos, ao juiz James Burke. "Mas me sinto muito vulnerável. Não sei o que pode acontecer."

Tyra Banks, que também apresenta o programa "America's Next Top Model", contou que foi obrigada a contratar seguranças e que hoje é acompanhada por guarda-costas quando vai a restaurantes ou ao cinema.

O advogado de Brady Green descreveu seu cliente como fã inofensivo e disse que Banks corteja seus admiradores, cultivando uma imagem de uma pessoa abordável e garantindo várias maneiras pelas quais pode ser contatada.

Green será sentenciado em 18 de junho, e a condenação carrega pena máxima de 90 dias atrás das grades. Mas o juiz disse que, em vez disso, ele receberá ajuda psiquiátrica.