Exposição "Modelos como Musa" em NY analisa ideais de beleza

segunda-feira, 4 de maio de 2009 18:58 BRT
 

Por Ellen Wulfhorst

NOVA YORK (Reuters) - A nova exposição "Modelos como Musa", no Metropolitan Museum of Art, em Nova York, celebra algumas das mulheres mais belas do mundo, mas também mostra como os ideais de beleza evoluíram para incluir as outras mulheres, disse seu curador na segunda-feira.

A mostra, que será aberta esta semana no Instituto do Figurino do museu, traça o percurso da alta moda e suas modelos desde a alta-costura do pós-2a Guerra Mundial até o grunge e o minimalismo dos anos 1990, com fotos que viraram ícones, capas de revistas, roupas, músicas e filmes para ilustrar cada era distinta.

A exposição trata do poder das roupas, da fotografia de moda e das modelos para projetar a beleza ao longo dos anos, disseram seus curadores em prévia para a imprensa.

A linha de tempo da exposição começa com os anos dourados da alta-costura sofisticada, que deram lugar aos anos 1960 e seu espírito voltado à juventude, seguidos pela era das supermodelos glamurosas que terminou no grunge, a antítese do glamour.

Essa última mudança rompeu com as concepções anteriores de beleza, deixando os ideais de hoje mais diversificados e inclusivos que em qualquer momento do passado, segundo o co-curador Kohle Yohannan.

"No final, estamos montando as peças, como que num quebra-cabeças pós-moderno", disse ele, acrescentando: "As mulheres de todas as raças e idades estão mais incluídas na cultura visual de hoje."

"Acho que esta mostra vai incentivar as mulheres a se sentirem representadas - mulheres de todos os tipos, todas as raças, todos os tamanhos", disse ele.

Escritor e historiador cultural, Yohannan é curador da mostra ao lado de Harold Koda, curador encarregado do Instituto do Figurino.   Continuação...

 
<p>A atriz Kate Hudson, a designer Stella McCartney e as atrizes Liv Tyler e Kate Bosworth na entrada do Metropolitan Museum of Art, em Nova York, para a exposi&ccedil;&atilde;o "Modelos como Musa". 04/05/2009. REUTERS/Lucas Jackson</p>