8 de Maio de 2009 / às 22:50 / em 8 anos

Mia Farrow põe fim a greve sobre Darfur; Branson toma seu lugar

<p>Enfraquecida depois de uma greve de fome que dura quase duas semanas, a atriz Mia Farrow anunciou na sexta-feira que o bilion&aacute;rio brit&acirc;nico Richard Branson assumir&aacute; seu protesto em solidariedade com a popula&ccedil;&atilde;o da regi&atilde;o de Darfur, no Sud&atilde;o.Eduardo Munoz</p>

Por Louis Charbonneau

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - Enfraquecida depois de uma greve de fome que dura quase duas semanas, a atriz Mia Farrow anunciou na sexta-feira que o bilionário britânico Richard Branson assumirá seu protesto em solidariedade com a população da região de Darfur, no Sudão.

Um porta-voz de Farrow disse que a saúde da atriz deteriorou nos últimos dias e que seu médico pediu que ela ponha fim ao jejum de alimentos sólidos que iniciou há 12 dias para protestar contra a expulsão por Cartum de mais de uma dúzia de organizações humanitárias.

Mia Farrow pediu a Branson que assumisse o jejum, disse o comunicado da atriz, acrescentando que o empresário britânico aceitou o pedido e iniciaria nesta sexta uma greve de fome de três dias.

"Precisamos que todos se ergam para exigir a volta da assistência internacional e que a população de Darfur seja protegida e tenha a oportunidade de viver em paz", disse Branson, segundo o comunicado.

No mês passado o porta-voz de Mia Farrow disse que o médico da atriz, de constituição frágil, previa que seu jejum não poderia durar mais de três semanas.

Farrow, que em 2000 foi nomeada embaixadora da boa-vontade da Unicef, o fundo das Nações Unidas para a infância, vem fazendo campanha há anos para a conscientização pública e o levantamento de fundos para crianças que vivem em zonas de conflito como Darfur, a República Democrática do Congo, Haiti, Chade e Nigéria.

Em março a Corte Criminal Internacional emitiu um mandado de prisão contra o presidente do Sudão, Hassan al Bashir, acusando-o de ser o autor intelectual dos massacres e deportações em Darfur, no oeste do Sudão.

Desde então o Sudão expulsou do país 13 organizações de ajuda humanitária estrangeiras e três nacionais, acusando-as de colaborar com a CCI, sediada em Haia.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse em seu relatório mais recente sobre a missão de manutenção de paz da ONU e da União Africana em Darfur, conhecida como Unamid, que as expulsões "puseram em risco de vida mais de 1 milhão de pessoas" em Darfur.

Autoridades da ONU dizem que até 300 mil pessoas foram mortas e mais de 2,7 foram expulsas de suas casas em Darfur em quase seis anos de violência étnica e política.

Cartum, porém, afirma que morreram 10 mil pessoas. Cerca de 4,7 milhões de pessoas em Darfur dependem da ajuda humanitária para sobreviver.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below