Recessão? Broadway ignora declínio econômico

sexta-feira, 15 de maio de 2009 11:54 BRT
 

Por Louis Charbonneau

NOVA YORK (Reuters) - Wall Street pode estar em queda em meio à recessão econômica global, mas apenas seis quilômetros ao norte, os teatros da Broadway na mesma Manhattan continuam a atrair multidões, como acontece há décadas durante fases de recessão.

Algumas pessoas podem achar difícil acreditar que a Broadway vem se mostrando tão resistente, mesmo diante do desemprego crescente e dos prejuízos recordes sofridos por algumas das maiores empresas norte-americanas.

Há seis meses, as previsões traçadas para a Broadway eram sombrias. As manchetes dos jornais diziam coisas como "Broadway se prepara para enfrentar consequências da recessão" e "Recessão deve deitar a pá de cal sobre a Broadway."

Até agora, porém, não há sinais de que a Broadway -- que sobreviveu à queda econômica pós-11 de Setembro e a uma greve prolongada de auxiliares de palco em 2007 -- esteja acabada.

Charlotte St. Martin, diretora-executiva do grupo industrial Liga da Broadway, analisou 30 anos de dados sobre bilheterias de teatros da Broadway em períodos de recessão e concluiu que a rua dos maiores teatros de Nova York tem sido virtualmente imune aos problemas econômicos.

"Quando há um ótimo produto, as pessoas vão ao teatro", disse ela. "Quando não há, elas não vão."

St. Martin disse que muitos americanos podem estar desistindo de passar férias na Europa ou outros destinos e em lugar disso viajando a Nova York para assistir a espetáculos da Broadway, onde podem curtir algumas horas de "fuga da realidade".

O crítico de teatro Adam Feldman, da Time Out New York, disse que uma série de resenhas críticas positivas e o tamanho limitado dos teatros estão ajudando a manter ativo o cenário da Broadway.   Continuação...

 
<p>Foto de arquivo dos atores do musical "Hair". 19/01/2009. REUTERS/Benoit Tessier</p>