Atriz pornô Marilyn Chambers morreu do coração, diz autopsia

terça-feira, 19 de maio de 2009 11:50 BRT
 

Por Dan Whitcomb

LOS ANGELES (Reuters) - A atriz pornô Marilyn Chambers, achada morta em abril na sua casa na Grande Los Angeles, foi vítima de complicações decorrentes de uma doença cardíaca, disseram legistas na segunda-feira.

Chambers foi a protagonista de "Atrás da Porta Verde", um dos primeiros filmes pornográficos a ter ampla distribuição nos EUA, em 1972. Ela foi achada morta na sua casa, na localidade de Canyon Country, em 12 de abril.

O IML de Los Angeles disse na época que Chambers provavelmente havia morrido de causas naturais, apesar de ser relativamente jovem -- tinha 56 anos.

A autopsia e exames toxicológicos confirmaram que ela havia sofrido uma hemorragia cerebral e um aneurisma relacionados a distúrbios cardíacos.

Os exames apontaram a presença do analgésico hidrocodona e do antidepressivo Citalopram na corrente sanguínea na atriz, mas não em quantidades suficientes para causar sua morte, segundo os legistas.

Nascida Marilyn Ann Taylor, a loira Chambers começou como modelo, segurando um bebê na embalagem do sabão em pó Ivory Snow.

Mas foi o papel em "Atrás da Porta Verde" que lhe gerou fama -- e também polêmica, em parte porque no filme ela aparecia fazendo sexo com um negro, o ator Johnny Keyes.

Ela ainda faria mais de 20 outros filmes pornôs, vários deles com o ator John Holmes, que morreu de Aids em 1988. Chambers ainda tentaria incursões na música e na política.

Em 1976, lançou um disco compacto, "Benihana". Em 2004, foi candidata a vice-presidente dos EUA pelo inexpressivo Partido da Escolha Pessoal.

No cinema "sério", ela fez uma pequena participação em "O Corujão e a Gatinha" (1970), com Barbra Streisand, e estrelou o terror "Enraivecida na Fúria do Sexo" (ou "Rabid", 1977), de David Cronenberg.

 
<p>Foto de arquivo de 2000 da atriz de filme adulto Marilyn Chambers em Beverly Hills. REUTERS/Fred Prouser</p>