Diários de Anne Frank voltarão para casa na Holanda

quinta-feira, 11 de junho de 2009 14:24 BRT
 

Por Ben Berkowitz

AMSTERDAM (Reuters Life!) - Os diários de Anne Frank voltarão para casa para o que teria sido o aniversário de 80 anos da autora caso tivesse sobrevivido ao nazismo.

O governo holandês, o instituto para quem Otto Frank deixou o famoso diário de sua filha e a fundação que toma conta da Casa de Anne Frank informaram nesta quinta-feira que todos os seus escritos irão ser exibidos na casa a partir de novembro.

"Anne está voltando para casa, seu trabalho retornará para cá", disse o ministro da Cultura da Holanda, Ronald Plasterk, em uma coletiva de imprensa antes de assinar o acordo de empréstimo permanente.

Anne Frank se tornou famosa postumamente pelos diários que deixou enquanto estava escondida dos nazistas com sua família em Amsterdã, durante a Segunda Guerra Mundial. Publicado pela primeira vez e depois traduzido para mais de 70 línguas, seu diário continua um dos livros mais vendidos do mundo.

A adolescente judia e seus parentes se escondiam em um anexo de um estabelecimento até serem traídos e presos em agosto de 1944. Anne Frank, que morreu no ano seguinte em um campo de concentração, faria 80 anos na sexta-feira.

Quando ele morreu em 1980, Otto Frank deixou seus papéis para o que é agora o Instituto Holandês de Documentação de Guerra. O instituto tem regularmente emprestado partes do diário para a casa para exibição, mas a coleção inteira --incluindo o diário original quadriculado no qual ela começou a gravar seus pensamentos-- era mantida em outro lugar.

A coleção será exposta em uma nova parte de exibições da casa, que é uma das principais atrações turísticas na cidade.

Mas J.F. Westra, diretor da Casa de Anne Frank, disse à Reuters que o acordo não pretende necessariamente aumentar a visitação do museu, mas antes educar aqueles que já planejavam visitá-lo.

"Nós pensamos que isto será uma inspiração aos nossos visitantes", disse Westra.

 
<p>Ministro da Holanda, Ronald Plasterk, com o di&aacute;rio de Anne Frank ap&oacute;s coletiva de imprensa em Amsterdam. 11/06/2009. REUTERS/Cris Toala Olivares</p>