Conde Drácula Christopher Lee será "Sir" da coroa britânica

sábado, 13 de junho de 2009 17:17 BRT
 

Por Matt Falloon

LONDRES (Reuters) - Christopher Lee, o ator que interpretou Drácula, e o jogador de golfe britânico Nick Faldo vão receber títulos de nobreza da coroa britânica, após serem incluídos na Lista de Honras do Aniversário da Rainha. Um gerente de estação de trem também vai ser honrado.

Lee, aos 87 anos, famoso por seu papel de vampiro em clássicos de terror, ganhou notoriedade entre o público mais jovem ao estrelar recentemente em Senhor dos Anéis e Guerra nas Estrelas.

O ex-número 1 do mundo Faldo foi capitão da equipe britânica na Copa Ryder Europeia e venceu seis campeonatos em sua carreira. A lista da rainha, produzida duas vezes ao ano, reconhece as conquistas em todas as áreas no Reino Unido, homenageando desde os ricos e famosos a trabalhadores comunitários. Há 984 nomeações no total, mais de 70 por cento de 'heróis locais'.

Entre eles, Iris Horn de 93 anos, gerente de uma estação de trem de Stogumber em Somerset que ganhará as honras como Membro da Ordem do Império Britânico.

Seis salva-vidas, três "lollipop ladies" -- voluntárias que ajudam crianças de escola a atravessar ruas -- e um diretor de uma funerária também são homenageados.

O homem que previu a recessão no Reino Unido quando trabalhava no Banco da Inglaterra, David Blanchflower, vai ser nomeado Comandante da Ordem do Império Britânico.

Blanchflower, que deixou seu cargo no Comitê de Política Monetária no último mês, passou grande parte do último ano tentando persuadir seus colegas a cortar taxas de juros para evitar uma depressão econômica e desemprego em massa.

"Estou muito satisfeito e honrado", disse ele à Reuters.

A pianista Mitsuko Uchida vai ganhar o título de Dama, enquanto a chef Delia Smith, o poeta Andrew Motion e o coronel Michael Burgess, que chefiou as investigações da morte da princesa Diana e de Dodi Fayed, também vão receber títulos.

(Reportagem adicional de Sumeet Desai)

 
<p>Ator brit&acirc;nico Christopher Lee durante entrevista coletiva em mar&ccedil;o de 2009 em Viena. REUTERS/Leonhard Foeger</p>