Farrah Fawcett, símbolo sexual dos anos 1970, morre aos 62 anos

quinta-feira, 25 de junho de 2009 16:56 BRT
 

Por Jill Serjeant

LOS ANGELES (Reuters) - A atriz Farrah Fawcett, a "Pantera" da televisão cujo sorriso largo e cabelos loiros fizeram dela um dos maiores símbolos sexuais dos anos 1970, morreu nesta quinta-feira depois de travar uma longa batalha contra o câncer. Ela tinha 62 anos.

Fawcett chegou ao estrelato depois da divulgação de um pôster em que aparecia de maiô vermelho. Ela recebeu o diagnóstico de câncer anal no final de 2006. No ano seguinte o câncer chegou a seu fígado, resistindo a vários tratamentos médicos aos quais ela se submeteu na Alemanha e Califórnia.

"Nossa amada Farrah morreu após uma longa e corajosa batalha contra o câncer", disse em comunicado o companheiro de muitos anos de Fawcett, o ator Ryan O'Neal.

"Embora este seja um momento extremamente difícil para sua família e seus amigos, nós nos reconfortamos recordando os momentos lindos que passamos com Farrah ao longo dos anos e na consciência de que sua vida levou alegria a tantas pessoas pelo mundo afora."

A morte de Fawcett, num hospital de Los Angeles, aconteceu seis semanas depois da transmissão pela TV, em maio, de um videodiário que ela fez com a crônica de sua batalha contra o câncer e seus meses finais de vida.

Intitulado "Farrah's Story", o documentário foi, na prática, um obituário escrito pela própria atriz, que, quando o filme foi exibido, já estava internada num leito hospitalar e tinha perdido seus famosos cabelos.

O'Neal disse que ela quis contar a história em seus próprios termos.

Uma amiga íntima de Fawcett, Alana Stewart, ex-mulher do roqueiro Rod Stewart, disse ao Entertainment Tonight na quinta-feira, depois de deixar o hospital: "Acabo de perder minha melhor amiga. A morte dela foi cheia de paz."   Continuação...

 
<p>Atriz Farrah Fawcett, em foto de arquivo, morreu nesta quinta-feira em decorr&ecirc;ncia de c&acirc;ncer. REUTERS/Jim Ruymen/Files</p>