29 de Junho de 2009 / às 15:06 / 8 anos atrás

Neil Young e Springsteen dão aula de rock no Hyde Park

<p>Foto de arquivo do cantor canadense Neil Young na Inglaterra. 26/06/2009.Luke MacGregor</p>

Por Angus MacSwan

LONDRES (Reuters) - Se os rostos esculpidos no monte Rushmore fossem de roqueiros em vez de presidentes norte-americanos, os de Neil Young e Bruce Springsteen certamente estariam presentes.

Os dois grandes nomes do rock mostraram porque são venerados por fãs de todas as idades no festival Hard Rock Calling, no Hyde Park, em Londres, no fim de semana, em performances que transbordaram paixão, energia e canções atemporais.

Para coroar tudo, sir Paul McCartney se juntou a Neil Young num bis, literalmente fazendo uma reverência ao canadense quando este tocou uma versão repleta de feedback de "A Day in the Life", dos Beatles.

Young e Springsteen, que têm respectivamente 63 e 59 anos, não vêm diminuindo o ritmo de trabalho nos últimos anos. Ambos lançaram álbuns novos recentemente, nos quais tiveram grandes momentos, apesar de não chegarem aos ápices de clássicos passados.

Ambos assumiram posições destacadas contra o ex-presidente norte-americano George W. Bush e a guerra do Iraque. Springsteen fez campanha por Barack Obama e tocou em sua posse.

Mas a política esteve ausente dos shows no Hyde Park, que visaram entreter o público veranista em Londres, depois de serem as atrações principais do Festival Glastonbury, na semana passada.

Neil Young subiu ao palco na noite de sábado parecendo um velho da montanha buscando abrigo de uma tempestade. Embora não seja conhecido por tentar agradar ao público, dessa vez ele fez uma apresentação voltada a agradar, com várias canções de "Harvest", seu álbum mais conhecido, e "Everybody Knows this is Nowhere", com destaque forte para a guitarra.

Ele encerrou com uma versão animada de "Rockin' in the Free World."

McCartney, velho amigo dele, subiu ao palco para cantar com Young no bis de "A Day in the Life", abraçando Young e dançando em volta dele. Era evidente que os dois estavam se divertindo.

Se Neil Young é um excêntrico voluntarioso, Bruce Springsteen é um grande showman que nunca decepciona.

Subindo ao palco com a poderosa banda E. Street, todos vestidos de preto, cantou "London Calling", do The Clash, cantando o refrão com volume suficiente para ser ouvido no Palácio de Buckingham, a pouca distância. Depois passou para terreno mais familiar com "Badlands" e não deixou o ritmo diminuir nas três horas seguintes.

Os destaques do show foram duas canções que Springsteen não canta com frequência ao vivo: a elegíaca "Racing in the Street", com um arremate comovente no piano, e a exuberante "Rosalita." Mas ele também cantou "Hard Times Come Again No More", composta em 1854 por Stephen Foster, lembrando ao público sobre os milhões de desempregados nos EUA e na Grã-Bretanha.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below