Neverland pode rivalizar com Graceland como atração turística

quinta-feira, 2 de julho de 2009 09:07 BRT
 

Por Jill Serjeant

LOS ANGELES (Reuters) - Abandonado por Michael Jackson após seu humilhante julgamento por abuso sexual infantil em 2005, o rancho Neverland, do cantor que morreu na semana passada, pode agora tornar-se uma das maiores atrações turísticas do mundo, virando um memorial ao Rei do Pop.

A família de Jackson disse que não há planos para sepultar seu corpo ou realizar uma cerimônia de despedida dele no rancho da Califórnia central.

Mas o playground rural inspirado no alter ego de Jackson, Peter Pan, vai continuar a ser uma atração numa região já visitada por turistas e pode rivalizar com Graceland, de Elvis Presley, como local de atração para os milhões de fãs de Jackson em todo o mundo.

"Michael Jackson tem uma base de fãs provavelmente mais forte que a de Elvis. Neverland já é bem maior que Graceland, e Los Angeles já é um destino turístico importante", disse Roger Brooks, executivo-chefe da empresa de turismo Destination Development International, acrescentando que acha que o rancho pode atrair 1 milhão de visitantes por ano.

A empresa de participações acionárias Colony Capital comprou o rancho em 2008 numa joint venture com Jackson, depois de ele ficar devendo 24 milhões de dólares da hipoteca. A empresa disse que ainda é cedo para discutir o futuro do imóvel.

Mas nos últimos dias o rancho vem sendo palco de muita atividade, com fãs reunidos para chorar o ídolo e deixar flores diante dos portões de ferro, enquanto a TV vem mostrando caminhões de mudança e jardineiros entrando e saindo do imóvel situado a noroeste de Los Angeles.

Graceland, o imóvel de Memphis onde Elvis Presley morreu em 1977, foi aberto ao público em 1982 e recebe mais de 600 mil visitantes por ano.

Michael Jackson comprou o rancho de 1.133 hectares em 1988 e o encheu de brinquedos de parque temático, um zoológico e estátuas de Peter Pan, o menino fictício que nunca ficou adulto.   Continuação...

 
<p>F&atilde; Jenny Tanner segura um livro de Michael Jackson do lado de fora do port&atilde;o de Neverland na Calif&oacute;rnia. 01/07/2009. REUTERS/Phil Klein</p>