Jermaine Jackson: "Queria que tivesse sido eu" e não Michael

quinta-feira, 2 de julho de 2009 14:27 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - Jermaine Jackson disse na quinta-feira que, ao ver seu irmão Michael Jackson morto no quarto do hospital, beijou-lhe a testa e desejou que ele próprio tivesse morrido em vez do popstar.

"Eu não sei como as pessoas vão receber isso, mas eu queria que tivesse sido eu", disse Jermaine no programa matinal "Today," da NBC.

"Sempre senti que eu era a sua coluna vertebral; alguém para estar ali para ele", afirmou Jermaine, que, ao lado de Michael e outros três irmãos, integrava a banda Jackson 5, da Motown, e é quatro anos mais velho que Michael.

Michael Jackson, que mais tarde fez um enorme sucesso como artista solo com discos como "Thriller", de 1982, morreu há uma semana após sofrer uma parada cardíaca numa mansão alugada em Los Angeles.

A mídia foi inundada por especulações de que o popstar de 50 anos estava abusando dos medicamentos sob prescrição médica e talvez das drogas intravenosas antes de seu retorno aos palcos que estava programado para este mês em Londres.

Foi feita uma autópsia oficial, mas os exames toxicológicos demorarão semanas para ficarem prontos. Os resultados de uma autópsia particular executada por um médico da família Jackson não foram divulgados.

Jermaine Jackson disse que as notícias sobre o possível uso de drogas por Michael Jackson ferem sua família. "As pessoas dizerem coisas sobre as quais não têm os fatos é muito prejudicial à família, para mim, para nós, porque nós não sabemos", afirmou ele.

"Michael sempre foi uma pessoa contra qualquer coisa como essa. Mas não estou dizendo que é certo, porque não é certo, mas nesse negócio, com as pressões e as coisas pelas quais se passa, você nunca sabe no que alguém se transforma", disse Jermaine.

Ele ressaltou que Michael Jackson se submeteu a um exame físico antes de iniciar os ensaios e foi liberado pelos médicos.   Continuação...

 
<p>Jermaine Jackson, irm&atilde;o de Michael, em foto de arquivo, disse que desejou que ele pr&oacute;prio tivesse morrido em vez do popstar. REUTERS/Gene Blevins</p>