Pai de Michael Jackson suspeita de crime na morte do popstar

sexta-feira, 10 de julho de 2009 16:05 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - O pai de Michael Jackson disse na sexta-feira que suspeita de ação criminal na morte do cantor, acrescentando que seu filho aparentemente tomou drogas para ajudá-lo a relaxar e "não acordou mais".

Joe Jackson, 79 anos, disse à ABC News em entrevista que foi ao ar na sexta que ficou estarrecido quando soube que seu filho de 50 anos tinha desmaiado em sua casa e estava sendo levado às pressas ao hospital, duas semanas atrás.

"Não consegui acreditar no que estava acontecendo com Michael. Acredito que tenha sido crime", disse ele, sem dar maiores detalhes.

Indagado o que sabia sobre os medicamentos fortes, vendidos com receita médica, que teriam sido encontrados na casa de Jackson após sua morte, em 25 de junho, Joe Jackson respondeu: "Eu não sabia nada sobre as drogas. Nem sabia os nomes delas. Mas sei que, seja lá o que for que ele tomou, tomou para descansar. Ele vinha trabalhando muito duro, e essa droga supostamente o ajudaria a relaxar."

"Mas ele não acordou. Nunca mais acordou. Michael morreu dormindo."

Ainda são aguardados os resultados dos exames toxicológicos que devem revelar a causa oficial da morte de Jackson, mas segundo vários órgãos de mídia, o sedativo forte Diprivan, normalmente usado por anestesistas em hospitais, foi encontrado em sua casa em Los Angeles.

No dia antes de sua parada cardíaca súbita, Jackson estivera ensaiando em Los Angeles para uma série de concertos que iriam começar em julho, em Londres, com o objetivo de reativar sua carreira, depois de um julgamento em 2005 por abuso sexual infantil, no qual foi inocentado das acusações.

O Los Angeles Times divulgou na quinta-feira que o instituto médico legal intimou vários médicos que já trataram de Jackson, incluindo o dermatologista Arnold Klein, a entregar os registros médicos do cantor.

Klein nega que tenha receitado doses excessivas de medicamentos a Jackson.   Continuação...

 
<p>O pai de Michael Jackson disse na sexta-feira que suspeita de a&ccedil;&atilde;o criminal na morte do cantor, acrescentando que seu filho aparentemente tomou drogas para ajud&aacute;-lo a relaxar e "n&atilde;o acordou mais". REUTERS/Lucy Nicholson/Files (UNITED STATES ENTERTAINMENT)</p>