China deve apelar à OMC sobre importação de produtos culturais

segunda-feira, 17 de agosto de 2009 11:13 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - A China informou nesta segunda-feira que recusará a decisão Organização Mundial de Comércio (OMC) contra as restrições do país a filmes, livros e produtos audiovisuais importados, dando continuidade à disputa com Washington sobre acesso comercial.

Pequim informou na semana passada que pode apelar contra a decisão do painel da OMC, que acolhe as principais queixas norte-americanas sobre os controles da China a produtos culturais, o que para Washington prejudica editoras, Hollywood e multinacionais de entretenimento.

Agora, um porta-voz do Ministério de Comércio da China afirmou que um recurso certamente será encaminhado.

"Nós achamos que foi impróprio a OMC não rejeitar a solicitação dos Estados Unidos", disse o porta-voz Yao Jian em uma coletiva de imprensa, em Pequim. "Baseado no documento da OMC, estamos preparando os documentos necessários para apresentar um recurso".

Yao não forneceu nenhum outro detalhe da apelação chinesa.

A contínua disputa intensificará o atrito comercial entre Pequim e Washington.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deve decidir até 17 de setembro se irá restringir importações de pneus de carros e caminhões leves da China, o que pode causar uma inundação de pedidos de outras indústrias, caso ele dê um sinal positivo.

O déficit comercial dos Estados Unidos com a China totalizou 103 bilhões de dólares na primeira metade de 2009, quantia 13 por cento menor em relação ao ano passado, mas ainda uma fonte de tensão entre os dois países.

O painel da OMC informou na semana passada que o regime chinês de importação e distribuição de livros e filmes quebra as regras de comércio internacional, bem como as condições para a entrada da China na organização em 2001, e deve ser revisado.   Continuação...