Orquestra italiana cria versão multicultural de ópera de Mozart

segunda-feira, 21 de setembro de 2009 14:29 BRT
 

Por Eliza Apperley

ROMA (Reuters) - Uma orquestra italiana composta principalmente de migrantes levará a Roma na quarta-feira uma versão multicultural da ópera "A Flauta Mágica", de Mozart, para abrir o festival de artes da cidade em meio a uma discussão sobre uma operação de repressão à imigração ilegal.

A Orchestra di Piazza Vittorio, cujo nome vem de uma praça no cosmopolita bairro de Esquilino, em Roma, vai abrir a 24a edição do festival de artes Romaeuropa com uma versão inovadora da ópera de Mozart, composta em 1791, sobre um príncipe perdido em busca do amor num reino mágico.

Desde um trompetista cubano até vocalistas tunisianos, um violinista americano e percussionistas senegaleses, a orquestra, com integrantes de 20 países, mistura estilos musicais que incluem o reggae e o jazz para criar uma versão moderna de um clássico da ópera, misturando contos de fadas, melodias populares, línguas, ritmos e sons.

"Quisemos contar a história de uma Flauta Mágica contemporânea, que acontece numa sociedade multirracial moderna", explicou o fundador e diretor artístico da ópera, o italiano Mario Tronco.

"Nossos músicos têm origens incrivelmente diversificadas, e não apenas em termos geográficos. Desde o reggae até a música erudita, passando pelo pop e o jazz, nossa música faz referência contínua a culturas diferentes."

Para Giovanni Piariccini, o presidente do festival, a abordagem multicultural e multiétnica da Orchestra está profundamente vinculada à filosofia do festival Romaeuropa e é "de importância cultural e política extrema."

As iniciativas do governo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi de arrochar as leis relativas aos imigrantes ilegais e enviar imigrantes interceptados no mar de volta à Líbia vêm suscitando um debate público acalorado na Itália. A Igreja Católica comparou aqueles que ignoram o sofrimento dos imigrantes aos que ignoraram o Holocausto na 2a Guerra Mundial.

Depois de estrear em Lyon e passar por Atenas e Barcelona, a "Flauta Mágica" da Orquestra foi aplaudida pela crítica e vista por quase 13 mil espectadores, em espetáculos de lotação esgotada. Outras apresentações da ópera estão previstas para Nápoles, Paris e Londres.

A orquestra vai apresentar "A Flauta Mágica" como história oral, com performances vocais em inglês, árabe, italiano, alemão, espanhol, português e wolof.