John Travolta testemunha em caso sobre morte de seu filho

quarta-feira, 23 de setembro de 2009 17:27 BRT
 

Por Neil Hartnell

NASSAU (Reuters) - John Travolta tentou desesperadamente salvar seu filho fazendo uma respiração boca-a-boca, disse o ator a uma corte das Bahamas nesta quarta-feira no julgamento de dois homens acusados de tentar extorqui-lo em 25 milhões de dólares.

O ex-senador Pleasant Bridgewater, 49, e o ex-paramédico Tarino Lightbourne, 47, foram acusados de conspirar e tentar extorquir dinheiro de Travolta por meio de ameaças. Bridgewater ainda é acusado de cumplicidade na extorsão.

Travolta, na presença de sua esposa e atriz Kelly Preston, disse à corte como o casal correu escada abaixo em sua casa de férias de Grand Bahama em uma tentativa desesperada de salvar o filho Jett, 16, após ser alertado sobre o apuro de seu filho quando uma babá bateu na porta de seu quarto.

Jett Travolta morreu em janeiro e seu atestado de óbito indica uma crise convulsiva.

O chefe da promotoria local, Bernard Turner, disse à corte na terça-feira que após a morte de seu filho John Travolta foi ameaçado com a divulgação de declarações potencialmente danosas se não houvesse um pagamento em dinheiro.

Travolta declarou à Suprema Corte das Bahamas que seu filho era autista e sofria de crises convulsivas, que o acometiam a cada cinco ou dez dias e duravam entre 45 segundos e alguns minutos.

O ator disse que próximo das 10h15 da manhã de 2 de janeiro foi acordado por Eli Wheaton, uma das babás de Jett.

"Eu o vi no chão do banheiro. Jeff Kathrein, sua outra babá, e uma empregada do local estavam fazendo respiração artificial". O ator disse que tomou o lugar da empregada e prosseguiu com o procedimento de ressuscitação.   Continuação...