Filme "Wild Things" ganha bênção do autor do livro

quarta-feira, 14 de outubro de 2009 14:17 BRT
 

Por Jill Serjeant

LOS ANGELES (Reuters) - Transpor para o cinema de Hollywood um livro que é um clássico da literatura infantil requer coragem.

Quando o livro em questão é o sombrio mas amado "Where the Wild Things Are", de Maurice Sendak, e quando o original ilustrado contém apenas nove sentenças escritas simples, ajuda se você conta com a bênção do autor.

O diretor Spike Jonze tinha as duas coisas quando começou a transpor para a tela grande o livro premiado de 1963, em versão que é ao mesmo tempo diferente do original e uma homenagem a este, feita para agradar não apenas às crianças, mas também aos adultos.

A versão de Jonze de "Where the Wild Things Are" -- que levou cinco anos para ser feita e funde ação ao vivo, fantoches e animação computadorizada -- chega aos cinemas norte-americanos na sexta-feira em meio a resenhas altamente positivas, mas também muitas reservas.

O livro é uma história com pouquíssimo texto, mas muitas ilustrações, sobre um menino travesso que veste fantasia de lobo e sai em busca de aventuras, mas, ao ser mandado de volta a seu quarto, acaba recorrendo a sua imaginação. Desde os anos 1970, é um dos dez livros infantis mais vendidos.

Mas Jonze, responsável pelo excêntrico "Quero Ser John Malkovich", de 1999, disse que não pretendeu fazer um filme tradicional para crianças.

"Eu me propus a fazer um filme sobre a infância", disse Jonze, co-autor do roteiro, juntamente com o romancista Dave Eggers.

"O filme trata de como é ter 8 ou 9 anos de identidade e tentar entender o mundo, as pessoas à sua volta e as emoções, que às vezes são previsíveis ou causam perplexidade."   Continuação...

 
<p>O ator Max Records chega para premiere do filme "Where The Wild Things Are", em Nova York. Transpor para o cinema de Hollywood um livro que &eacute; um cl&aacute;ssico da literatura infantil requer coragem.13/10/2009.REUTERS/Lucas Jackson</p>