Fitas secretas da Casa Branca rendem novo livro sobre Clinton

sexta-feira, 16 de outubro de 2009 13:19 BRT
 

Por Matthew Bigg

ATLANTA (Reuters) - Bill Clinton reuniu-se 79 vezes com o premiado historiador Taylor Branch na Casa Branca enquanto era presidente dos Estados Unidos para gravar um diário secreto de sua presidência.

O resultado das entrevistas é um livro novo, "The Clinton Tapes: Wrestling History with the President", que apresenta uma visão nova de fatos chaves, como a direção que Clinton imprimiu à economia e ao déficit, a ascensão da Al Qaeda e o escândalo envolvendo Monica Lewinsky.

Desde que o escândalo de Watergate derrubou Richard Nixon, os presidentes norte-americanos têm tomado muito cuidado em relação a gravar fitas na Casa Branca.

Mas Branch e Clinton tinham trabalhado juntos quando tinham 20 e poucos anos, e Clinton propôs que as fitas fossem gravadas como registro histórico de sua presidência. O que aconteceu de fato foi que Clinton ficou com as fitas, e o livro de Branch é baseado nas anotações que o historiador fez na época das gravações.

Branch, que recebeu um prêmio Pulitzer em 1989 por "Parting the Waters: America in the King years 1954-63", falou com a Reuters sobre o projeto com Bill Clinton e seu livro.

Pergunta: Qual foi sua impressão principal de Bill Clinton?

Resposta: Fiquei espantado pelo fato de ele estar constantemente envolvido em questões do mundo inteiro, apesar das distrações de todo tipo. Eu esperava mais reclamações sobre como era ser presidente. Ele vivia preocupado com o quê faria a seguir.

P: Qual foi a impressão que o senhor teve da presidência?   Continuação...