Beyoncé adia show na Malásia após reação de islâmicos

segunda-feira, 19 de outubro de 2009 15:22 BRST
 

KUALA LUMPUR (Reuters) - A popstar norte-americana Beyoncé adiou um concerto que faria na Malásia depois que o partido oposicionista islâmico do país mencionou receios sobre sua performance, citando questões morais, disseram os organizadores do show.

Apresentações de artistas estrangeiros frequentemente suscitam protestos do Partido Islâmico Pan Malaio (PAS), cuja ala jovem obrigou Beyoncé a cancelar um concerto programado para 2007 no país de 27 milhões de habitantes e maioria muçulmana.

A empresa de entretenimento malaia Marctensia, em declaração publicada em seu site na Internet, disse que o concerto "I am...", de Beyoncé, programado para 25 de outubro como parte da turnê mundial da cantora, seria adiado para data ainda não anunciada.

"O adiamento é decisão exclusiva da artista e não guarda relação com razões externas", disseram os organizadores do concerto.

Não foi dada nenhuma outra razão. A Marctensia disse que a nova data do concerto será anunciada "em breve" e que uma declaração dos empresários de Beyoncé será divulgada ainda esta semana.

No ano passado a ala jovem do PAS também procurou impedir a canadense Avril Lavigne de se apresentar na Malásia. No início do mês a Malásia inicialmente proibiu muçulmanos de assistirem a um concerto da banda de hip-hop norte-americana The Black Eyed Peas, patrocinada pela Guinness, uma das marcas pertencentes ao maior grupo mundial de bebidas alcoólicas, Diageo.

A proibição foi revogada, mas um alto funcionário disse que cabia ao critério de cada indivíduo assistir ao evento ou não. A imagem da Malásia de país muçulmano moderado foi abalada quando, recentemente, uma mulher flagrada tomando cerveja foi condenada a receber chibatadas.

(Belinda Goldsmith)

 
<p>A popstar norte-americana Beyonc&eacute; adiou um concerto que faria na Mal&aacute;sia depois que o partido oposicionista isl&acirc;mico do pa&iacute;s mencionou receios sobre sua performance, citando quest&otilde;es morais, disseram os organizadores do show. REUTERS/Kim Kyung-Hoon (JAPAN ENTERTAINMENT FASHION)</p>