Madonna chega ao Rio e deve visitar comunidades carentes

segunda-feira, 9 de novembro de 2009 17:21 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A popstar Madonna vai visitar esta semana alguns projetos sociais realizados em comunidades carentes do Rio de Janeiro e quer participar de alguma forma dessas ações, afirmou o governador do Estado, Sérgio Cabral, nesta segunda-feira, após a cantora desembarcar na cidade.

Segundo o governador, Madonna "vai rodar em várias comunidades" para conhecer projetos sociais como os realizados pelo AfroReggae, que tira jovens da criminalidade através da arte.

"Ela vai conhecer vários projetos, está encantada com o Rio de Janeiro, quer participar e ajudar", disse Cabral a jornalistas antes de evento no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio.

A estrela pop tinha um encontro marcado para esta tarde com Anderson Sá, um dos vocalistas da banda AfroReggae, mas, segundo comunicado da ONG, o evento foi cancelado por motivos de agenda.

De acordo com o AfroReggae, o convite teria partido da própria cantora após assistir ao documentário "Favela Rising", que conta a história de como Anderson escapou da criminalidade para se tornar músico.

Cabral disse que tem um encontro previsto com Madonna, na quinta-feira, para debater uma eventual participação da cantora em projetos sociais na cidade. A reunião seria na casa do empresário Eike Batista, o homem mais rico do país, que também poderia participar de uma ação social junto com Madonna.

"Vamos nos encontrar, possivelmente na próxima quinta-feira. Depende das nossas agendas. É uma reunião social. A Madonna quer conhecer melhor o Rio", disse Cabral.

"Que bom que a Madonna vai na contramão dos pessimistas e adora o Rio de Janeiro", acrescentou.

Segundo o site do AfroReggae, Madonna está acompanhada no Rio de seu sócio no projeto Raising Malawi, em que ela ajuda crianças carentes do Malaui. Madonna inclusive adotou duas crianças do país africano.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

 
<p>Madonna, em foto de arquivo, chegou ao Rio de Janeiro nesta segunda-feira e deve visitar comunidades carentes. REUTERS/Siphiwe Sibeko</p>