"Lua Nova" lidera bilheterias da meia-noite na América do Norte

sexta-feira, 20 de novembro de 2009 20:45 BRST
 

LOS ANGELES (Reuters) - O filme de vampiros "Lua Nova," parte da saga "Crepúsculo", arrecadou 26,3 milhões de dólares nas sessões da meia-noite em sua estreia na América do Norte, superando o recorde de "Harry Potter e o Enigma do Príncipe", disseram fontes do estúdio responsável pelo lançamento na sexta-feira.

Analistas do setor preveem que "Lua Nova" arrecade cerca de 100 milhões de dólares em seu primeiro fim de semana (contando desde as sessões de quinta-feira à meia-noite até o final do domingo).

Paul Derbarabedian, diretor do site de monitoramento Hollywood.com, disse em nota que "a enorme reação dos fãs prenuncia um fim de semana de lançamento que poderia ser um dos maiores do ano e reflete o fervor e excitação que cercam esta sequência de 'Crepúsculo'".

"Harry Potter e o Enigma do Príncipe" havia arrecadado 22,2 milhões de dólares nas sessões da meia-noite ao ser lançado, em julho.

"Lua Nova" segue o perigoso romance entre a colegial Bella Swan (Kristen Stewart) e o vampiro Edward Cullen (Robert Pattinson).

Após se apaixonar em "Crepúsculo", lançado há exatamente um ano, o casal rompe em "Lua Nova". Bella se consola na sua amizade com o lobisomem indígena Jacob Black (Taylor Lautner), que a protege de vampiros assassinos. Mas ela ainda sente saudades do carinhoso sugador de sangue Edward.

A série "Crepúsculo" se baseia em quatro romances homônimos de autoria de Stephenie Meyer, que segundo sua editora vendeu 85 milhões de exemplares no mundo todo.

A despeito da ansiedade dos fãs, "Lua Nova" não caiu no gosto da crítica. No site RottenTomatoes.com, ele recebeu apenas 31 por cento de nota favorável.

O crítico Robert Ebert, do jornal Chicago Sun-Times, sugeriu que o ritmo do filme é arrastado demais, "como guiar uma picape em primeira marcha por um mar sombrio de Brylcreem (um gel para cabelos)".

Mas filmes para adolescentes, como "Lua Nova", em geral são imunes às críticas negativas, já que o público alvo não as lê. Além disso, nem todas as críticas foram ruins. "Se você aderir ao romance central, você irá rir, chorar e desmaiar", disse a revista britânica Empire.

(Reportagem de Alex Dobuzinskis)