Hollywood vai à conferência do clima em Copenhague

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009 18:36 BRST
 

Por Bob Tourtellotte

LOS ANGELES (Reuters) - Você acha que o degelo da calota ártica é a maior ameaça decorrente do aquecimento global? E os perigos para os ursos polares? Pense outra vez, e pense rápido.

Na opinião do cineasta Michael Nash e de outros, as maiores preocupações são do âmbito da segurança nacional e com a perspectiva de milhões de refugiados deslocados por causa das mudanças no clima mundial. E são problemas de hoje, não do futuro, segundo eles.

Nash e o produtor Justin Hogan vão a Copenhague, onde seu documentário "Climate Refugees" ("Refugiados Climáticos") será exibido na segunda-feira a uma seleta plateia de líderes e cientistas que participam da conferência na capital dinamarquesa que discute um novo tratado climático global

Nesse filme, Nash entrevista cientistas e políticos, como o senador norte-americano John Kerry e o ex-deputado Newt Gingrich, para quem a mudança climática é uma questão de segurança, já que os deslocamentos em massa geram conflitos entre países que disputam recursos.

A obra, que examina o impacto humano do aquecimento, terá sua estreia mundial em janeiro no festival de Sundance, mesma tela onde estreou em 2006 "Uma Verdade Inconveniente", documentário sobre o clima posteriormente premiado com o Oscar.

Nash disse à Reuters que é animador poder mostrar seu filme em Copenhague aos políticos que serão capazes de aprovar leis contra o aquecimento. Mas, segundo ele, é a estreia em Sundance que irá impulsionar o documentário junto às plateias comuns.

"É ótimo ir a Copenhague, mas também precisamos que as pessoas digam aos governantes o que elas querem", afirmou.

Há três anos, Nash começou a ler sobre migrações em massa de pessoas à procura de água e comida em regiões áridas da África, ou que perdiam suas casas devido ao avanço do mar em Bangladesh.   Continuação...