ESTREIA-"Avatar" recicla temas e cria padrões para fantasia

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009 10:27 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Gigantes azuis, batalhas aéreas entre helicópteros e dragões voadores. Tudo em "Avatar", a nova aventura de James Cameron ("Titanic"), remete a grandeza e depende da magia tecnológica. O filme tem estreia nacional em 500 cópias, 110 delas 3D, duas destas sendo exibidas, por enquanto, nas duas únicas salas IMAX do país, uma em São Paulo, outra em Curitiba.

Tanto nas versões 3D como nas convencionais, haverá cópias dubladas e legendadas.

Diretor do filme que é, até hoje, recordista mundial de bilheteria- "Titanic", de 1997, com renda acumulada de 1,9 bilhão de dólares, James Cameron esperou 12 anos para voltar ao cinema e gastou cerca de 500 milhões de dólares no orçamento de "Avatar", segundo estimativa do jornal The New York Times.

Tudo isto para obter uma tecnologia adequada a retratar a história que ele imaginou já em 1999 e que concretiza neste filme, que tem 60 por cento de imagens digitais. Inclusive boa parte do elenco só é vista na tela em sua versão digital, obtida a partir da técnica de "capture motion" dos atores reais.

Deixando claro que terá força também nas principais premiações, "Avatar" já faturou quatro indicações no Globo de Ouro - melhor filme dramático, diretor, música original e trilha sonora.

Na história, o ano é 2154. Os terráqueos, que já acabaram com os recursos naturais de seu próprio planeta, agora tentam explorar Pandora. Neste planeta, a natureza está integralmente preservada por seus habitantes, os Na'vi.

Trata-se de um povo de gigantes azuis, perfeitamente integrados de corpo e mente com o equilíbrio geral. Não se mata um único animal sem absoluta necessidade. A vida é sagrada para os Na'vi, que visualmente parecem indígenas com longos cabelos dreadlock, habitando um mundo florestal e povoado de animais fantásticos e primitivos - como dragões alados e felinos gigantescos com dentes e garras afiadíssimos.

Os homens da Terra não buscam espaço para morar - seu interesse está num valioso minério, cujo maior depósito está bem abaixo da grande morada comunitária dos Na'vi.

Diante da total incompatibilidade de interesses entre os dois lados - os Na'vi não se interessam por nenhum bem econômico - e da postura bélica dos humanos, surge uma estratégia científica. A dra. Grace Augustine (Sigourney Weaver, de "Rebobine por Favor") gerencia o projeto dos avatares - ou seja, o desenvolvimento de corpos de Na'vis, aos quais se mistura material genético humano.   Continuação...

 
<p>"Avatar" recicla temas e cria padr&otilde;es para fantasia. REUTERS/WETA/Twentieth Century Fox/Handout</p>