Dustin Hoffman é vaiado em região turística da Itália

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009 14:25 BRST
 

MILÃO (Reuters Life!) - O ator norte-americano Dustin Hoffman recebe elogios críticos há décadas, mas agora está sendo vaiado por tropeçar no italiano na gravação de um comercial de turismo promovendo a região de Marche.

No anúncio, Hoffman lê em voz alta o poema "L'Infinito" ("O Infinito"), do escritor do século 19 Giacomo Leopardi, natural de Marche, enquanto está sobre um palco e percorre as colinas e a cidade da região, situada na parte central da Itália.

A campanha publicitária com o ator duas vezes premiado com o Oscar está prevista para ser lançada nos cinemas e na televisão em janeiro. Uma versão preliminar do anúncio pode ser vista online no YouTube (here).

Mas observadores não estão poupando críticas a Hoffman por seu domínio falho da língua italiana. No anúncio, o ator de 72 anos, trajando casaco de couro, sacode a cabeça repetidas vezes em frustração e em dado momento exclama "em lugar nenhum em inglês!"

Elsa Muschella escreveu no jornal de Milão Corriere della Sera que "o engajamento está presente", mas que a pronúncia de Hoffman "não consegue cobrir a distância astronômica que o separa do ouvido italiano."

Hoffman "tropeça nas palavras eternas" de Leopardi, escreveu ela.

Comentários de dezenas de pessoas que assistiram ao comercial no YouTube descrevem o anúncio como carente de imaginação e desperdício de dinheiro público.

"Dustin Hoffman e a região de Marche combinam tanto quanto o Dalai Lama fazendo um anúncio de Las Vegas", escreveu um espectador.

O governador de Marche, Gian Maria Spacca, disse no site do YouTube que o anúncio é uma versão inicial e pode ser modificado.

Ele disse ao Corriere della Sera: "A dificuldade que Hoffman enfrenta ao recitar o poema pode simbolizar a dificuldade mais universal de aproximar-se de uma cultura desconhecida."

(Reportagem de Ian Simpson)

 
<p>Foto de arquivo do ator Dustin Hoffman durante cerim&ocirc;nia de entrega do Cesar Awards em fevereiro de 2009. Hoffman tem sido alvo de cr&iacute;ticas por trope&ccedil;ar no italiano em propaganda tur&iacute;stica. REUTERS/Gonzalo Fuentes</p>