Comunidade gay dos EUA premia Lady Gaga e filme de Tom Ford

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010 20:00 BRST
 

NOVA YORK (Reuters Life!) - A cantora Lady Gaga e o filme de estreia do estilista e agora cineasta Tom Ford estão entre os indicados para o prêmio anual da Difamação Contra a Aliança Lésbica & Gay nesta quarta-feira.

A organização divulgou os 116 indicados por apoiarem a cobertura de questões homossexuais nas categorias cinema, televisão, documentário, música, teatro, história em quadrinhos e jornalismo.

A premiação do 21o GLAAD será feita em três cerimônias, a partir de 13 de março, em Nova York.

O filme de Tom Ford "A Single Man", que segue a vida de um professor gay, e "Precious", do cineasta Lee Daniel, sobre uma adolescente do Harlem que ajuda uma professora lésbica, estavam entre os indicados na categoria cinema.

Indicados na categoria musical incluem a cantora Lady Gaga, a banda independente Gossip e o cantor Adam Lambert, que no ano passado disse à revista Rolling Stone que era gay depois de meses de especulações.

Programas de televisão indicados incluem "True Blood," "Grey's Anatomy", "Mad Men," "Skins" e "Glee".

A atriz Cynthia Nixon, do seriado "Sex and the City", uma defensora ferrenha das questões gays, vai receber um prêmio especial.

O presidente da organização, Jarrett Barrios, disse que o objetivo dos prêmios era recompensar a cobertura da imprensa e os programas de entretenimento que vão além dos estereótipos gays.

"Palavras e imagens importam", disse em um comunicado antes de acrescentar que ainda havia progresso a ser feito.

(Reportagem de Christine Kearney)

 
<p>Cantora Lady Gaga comparece &agrave; coletiva de imprensa onde foi anunciada como a diretora de cria&ccedil;&atilde;o da Polaroid no Consumer Electronics Show (CES) em Las Vegas no dia 7 de janeiro. Lady Gaga e o filme de estreia do estilista e agora cineasta Tom Ford est&atilde;o entre os indicados para o pr&ecirc;mio anual da Difama&ccedil;&atilde;o Contra a Alian&ccedil;a L&eacute;sbica &amp; Gay nesta quarta-feira. REUTERS/Mario Anzuoni</p>