2010 será ano bom para televisão e ruim para e-readers

terça-feira, 19 de janeiro de 2010 14:20 BRST
 

Por Kate Holton

LONDRES (Reuters) - A televisão vai continuar a dominar o entretenimento doméstico por mais um ano em 2010, demonstrando mais permanência que os jornais e até mesmo que a reencarnação digital destes, o leitor eletrônico, ambos os quais podem enfrentar problemas, prevê um novo relatório.

De acordo com a Deloitte 2010 TMT Predictions, a televisão e sua programação fixa continuarão a exercer o papel mais importante no entretenimento doméstico, apesar da demanda crescente de espectadores interessados em assistir a programas individuais na hora em que quiserem.

A previsão contraria muitas das expectativas de analistas, que previam que o hábito de descarregar conteúdos da Internet para o computador, quando e onde o espectador quisesse, chegasse pouco a pouco à televisão, afetando a maneira como ela é vista pelo espectador.

Na Grã-Bretanha, iniciativas para disponibilizar filmes e programas antigos nos televisores, e não apenas em computadores, vêm se mostrando muito populares, e a expectativa era que essa tendência ganhasse fôlego.

Mas a Deloitte disse que o sistema linear tradicional de transmitir programas de televisão e rádio ainda é mais fácil e suficiente para a maioria dos consumidores.

Se a previsão for correta, será uma enorme injeção de ânimo para as emissoras tradicionais, que nos últimos dois anos viram sua receita publicitária cair devido à recessão global e os receios quanto ao futuro da mídia.

PODER DOS ESPECTADORES

"Nossa estimativa é que 90 por cento de toda a TV assistida e mais de 80 por cento dos conteúdos de áudio consumidos serão pelos meios de transmissão tradicionais", afirma o relatório.   Continuação...

 
<p>E-book E6, da Samsung, &eacute; exibido durante uma coletiva de imprensa em Las Vegas, 6 de janeiro de 2010. A televis&atilde;o vai continuar a dominar o entretenimento dom&eacute;stico por mais um ano em 2010, demonstrando mais perman&ecirc;ncia que os jornais e at&eacute; mesmo que a reencarna&ccedil;&atilde;o digital destes, o leitor eletr&ocirc;nico, ambos os quais podem enfrentar problemas, prev&ecirc; um novo relat&oacute;rio. REUTERS/Mario Anzuoni</p>