"Amor Sem Escalas" dá ânimo novo a alguns desempregados

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010 17:50 BRST
 

Por Christine Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Quando Andy Glantzman concordou em ser filmado falando francamente sobre como se sentiu ao perder seu emprego, não imaginava que milhões de pessoas fossem assistir a seu depoimento.

Mas, em vez de sua participação fazer parte de um documentário, como ele previu, Glantzman e outros 21 funcionários demitidos se viram fazendo pontas no filme "Amor Sem Escalas", que na semana passada recebeu seis indicações ao Oscar, incluindo para melhor filme e melhor diretor.

O filme tem George Clooney no papel de um homem que trabalha para empresas, ganhando a vida demitindo pessoas. Inclui cenas com Glantzman e outros falando de suas experiências na vida real.

Um ano depois, muitas das 22 vítimas da recessão mostradas no filme já têm novos empregos. Suas histórias podem dar esperança a outras pessoas.

"O filme me deu uma razão para vestir um terno, sair de casa e sentir que eu estava fazendo algo que valia a pena, em vez de ficar apenas sentado, esperando o próximo salário-desemprego", disse Glantzman em entrevista. "Começou por elevar minha auto-estima."

Ele foi demitido de uma revendedora de carros de luxo em Detroit algumas semanas antes de ver em um jornal um anúncio pedindo a pessoas que tivessem perdido seus empregos que enviassem uma carta descrevendo sua demissão. Glantzman foi escolhido para reencenar a experiência e verbalizar o que gostaria de ter dito a seu antigo empregador.

"Foi altamente terapêutico. Percebi que eu não era o único naquela situação", disse ele. Quatro meses mais tarde, mudou-se para Grand Rapids, Michigan, onde encontrou trabalho em uma empresa educacional.

FILME REFLETE A REALIDADE   Continuação...