ESTREIA-Concorrente ao Oscar, "Preciosa" é história de superação

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010 18:28 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Claireece Preciosa Jones tem 16 anos, é analfabeta e obesa. Ela frequenta a escola, mas é motivo de zombaria. Está grávida pela segunda vez - novamente, como resultado de um estupro de seu próprio pai. Sua mãe, em vez de a defender, acusa a garota de roubar o seu homem e a espanca. É um mundo cruel esse de Preciosa - mas um pingo de esperança a faz seguir em frente, apesar da baixa auto-estima e do desespero.

Essa é a premissa de "Preciosa", que estreia em circuito nacional. O longa concorre a seis Oscar, entre eles, melhor filme, diretor, atriz e atriz coadjuvante. A personagem central é interpretada pela estreante Gabourey Sidibe, e é difícil imaginar o filme com outra atriz no papel-título. Ela é capaz de encarnar esta sofredora sem transformá-la em mártir, sem torná-la uma causa social, mas apenas uma garota de 16 anos que passou por uma vida cheia de abusos e que, mesmo assim, encontra um novo caminho.

Desde que estreou no Festival de Sundance, em janeiro de 2009, onde ganhou o prêmio de público e do júri, "Preciosa" conquistou dois fãs de peso: a apresentadora Oprah Winfrey e o diretor e comediante Tyler Perry ("Diário de uma louca").

O roteiro - indicado ao Oscar na categoria de melhor roteiro adaptado - baseia-se num romance da poetisa Sapphire, que foi professora no Harlem, onde conviveu com muitas garotas parecidas com suas personagens. O livro é uma homenagem a outro romance, "A Cor Púrpura", de Alice Walker - e que, aliás, torna-se fundamental na vida de Preciosa.

A esperança entra na vida da garota através da professora Blu Rain (Paula Patton, de "Déjà Vu"), que Preciosa conhece quando se matricula numa escola alternativa, onde estudam garotas tão problemáticas quanto ela.

A professora é a única pessoa que mantém a fé em todas as alunas, esforçando-se para que aprendam a ler e escrever, entrem para uma universidade e mudem de rumo.

A diferença entre a srta. Rain e todas as outras pessoas em torno de Preciosa e suas colegas é que a professora nota essas meninas - enquanto para o restante da humanidade elas parecem simplesmente não existir. Ela é a única capaz de ver além das aparências e da linguagem vulgar da protagonista e perceber que há uma menina desesperada ali que foi obrigada a crescer à força e sem opções.

A mãe de Preciosa, Mary - interpretada pela comediante Mo'Nique -, não apenas ignora a filha, como também a transforma em sua serviçal e saco da pancadas.

As duas moram num pequeno apartamento no Harlem, de onde Mary praticamente não sai, passando todo o tempo diante da televisão. Um de seus raros contatos com o mundo externo é a visita mensal de uma assistente social, de quem depende a continuidade do recebimento do dinheiro da previdência social que sustenta a família.   Continuação...

 
<p>A atriz Gabourey Sidibe comparece &agrave; 62a edi&ccedil;&atilde;o do Directors Guild of America em Los Angeles. Seu filme "Preciosa", sobre uma adolescente sofredora de 16 anos, estreia em circuito nacional neste fim de semana. 30/01/2010 REUTERS/Danny Moloshok</p>