Berlinale vira vitrine de revival do cinema alemão

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010 14:05 BRST
 

Por Eric Kirschbaum

BERLIM (Reuters) - O cinema alemão foi no passado o patinho feio no Festival de Cinema de Berlim. Apenas alguns poucos filmes nacionais eram admitidos na programação, e isso a contragosto.

Mas a Berlinale virou vitrine do cinema alemão nos nove anos passados desde que Dieter Kosslick assumiu a presidência do festival, tomando o lugar do suíço Moritz de Hadeln, que foi odiado por cineastas alemães durante a maior parte de seus 22 anos de reinado em Berlim.

Fã declarado das produções alemãs, Kosslick já chefiava o principal conselho alemão de subsídio ao cinema e agora vem ajudando a renovar o cinema alemão com seu apoio declarado. Foi uma iniciativa arriscada da parte de um dos maiores festivais de cinema do mundo.

Sete dos 26 filmes da seleção principal deste ano foram feitos por cineastas alemães ou com dinheiro alemão -- é o caso do thriller "The Ghost Writer", de Roman Polanski, sobre um ex-primeiro-ministro britânico, que foi filmado em Berlim e no estúdio Babelsberg.

Outros filmes importantes feitos com direção ou financiamento alemão incluem "The Robber", sobre um maratonista austríaco que assalta bancos; "Jew Suss - Rise and Fall", sobre o nazista Joseph Goebbels, "Shahada", sobre muçulmanos na Alemanha, e "The Hunter", ambientado no Irã.

"Virou tradição nossa incluir filmes alemães na programação", disse Kosslick à Reuters. "Isso vem sendo ótimo. O cinema alemão precisa ser divulgado. A aposta vem tendo resultado. No início, foi um pouco de ousadia, mas hoje já não é nada demais."

A iniciativa certamente vem sendo importante para os cineastas alemães, que se queixavam amargamente de descaso no passado. Desde 2002, filmes alemães ganharam vários prêmios Urso de Ouro e Urso de Prata em Berlim.

"A Berlinale voltou a abrigar filmes alemães", comentou Doris Doerrie, cuja comédia "Die Friseuse", sobre uma cabeleireira obesa, foi vista em uma das seções fora da competição principal e recebeu resenhas altamente elogiosas, tendo sido vendida para o exterior.   Continuação...

 
<p>O presidente do Festival de Cinema de Berlim, Dieter Kosslick, participa de coletiva de imprensa na semana anterior &agrave; 60a edi&ccedil;&atilde;o do evento. A Berlinale virou vitrine do cinema alem&atilde;o desde que Kosslick assumiu a presid&ecirc;ncia. 01/02/2010 REUTERS/Fabrizio Bensch</p>