Unesco se diz preocupada com plano de Israel na Cisjordânia

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010 17:29 BRT
 

PARIS (Reuters) - A agência da ONU para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) afirmou nesta sexta-feira estar preocupada com o plano de Israel de incluir sítios religiosos judeus na Cisjordânia ocupada em um programa de preservação do patrimônio.

O chefe de política externa da União Europeia, Catherine Ashton, disse que a decisão israelense poderá arruinar esforços de se reiniciar os diálogos de paz com os palestinos.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que planeja incluir o Túmulo dos Patriarcas e outras mesquitas judaicas em território capturado por Israel em 1967 em um plano de 107 milhões de dólares para proteção de patrimônios judeus.

A decisão provocou protestos violentos de palestinos e provocou críticas internacionais.

A Unesco disse que sua diretora-geral, Irina Bokova, "manifestou sua preocupação" com o anúncio de que o Túmulo dos Patriarcas e o Túmulo de Rachel seriam incluídos no plano.

"Ela também manifestou preocupação com a consequente escalada da tensão na área", afirmou o comunicado.

Ashton disse em um documento: "O Alto Representante considera a decisão recente do governo de Israel... como prejudicial às tentativas de reiniciar as negociações de paz. A União Europeia pede que Israel se abstenha de atos provocativos."

Palestinos classificam o anúncio como uma maneira de Israel confiscar terras e locais sagrados em territórios ocupados onde esperam criar um Estado independente.

O Túmulo dos Patriarcas, chamado por muçulmanos de mesquita de Ibrahim, é sagrada para judeus e muçulmanos como o local onde figuras bíblicas como Abraão, Isaac e Jacob foram enterradas.

Hebron e a mesquita são pontos frequentes de violência na Cisjordânia, território chamado por Israel por seus nomes bíblicos de Judeia e Samaria.

(Por Anna Willard, com reportagem adicional de Foo Yun Chee em Bruxelas)