Filho de Panahi está aflito com prisão, diz site iraniano

quarta-feira, 3 de março de 2010 09:23 BRT
 

TEERÃ (Reuters) - O filho do cineasta iraniano Jafar Panahi, detido nesta semana junto com a mulher e a filha, disse desconhecer o destino dos seus familiares, segundo relato feito na quarta-feira por um site oposicionista.

"Não tenho qualquer informação sobre o paradeiro ou a situação deles. Estou muito preocupado com a minha família", disse Panah Panahi ao site Kaleme, que na véspera noticiara a prisão do premiado cineasta, partidário da oposição iraniana.

O Kaleme, criado pelo líder oposicionista Mirhossein Mousavi, afirmou que Panahi, a mulher, a filha e 15 convidados foram detidos na noite de segunda-feira.

Autor de filmes provocativos sobre questões sociais do Irã, inclusive sobre a condição feminina (como "O Círculo" e "Fora de Jogo"), Panahi apoiou Mousavi na eleição presidencial de 2009, cujas suspeitas de fraude mergulharam o Irã na sua pior crise política em 30 anos.

O promotor Abbas Jafari Dolatabadi confirmou na terça-feira a prisão de Panahi, mas negou que houvesse motivação política.

Ao Kaleme, Panah Panahi negou que seu pai estivesse fazendo um filme contra o governo, sem autorização oficial.

"Meu pai tinha permissão (...), ele nunca fez um filme sobre os fatos recentes", disse ele, referindo-se à eleição de junho e suas turbulentas consequências.

No mês passado, o Festival de Berlim anunciou que Panahi havia sido impedido pelo governo iraniano de viajar à Alemanha para participar de um debate.

A oposição reformista diz que a eleição de 2009 foi fraudada em favor do presidente Mahmoud Ahmadinejad, que obteve um segundo mandato e nega qualquer irregularidade. O governo diz que as manifestações são estimuladas por inimigos externos do Irã, para desestabilizar o país.

Milhares de oposicionistas foram detidos nos últimos meses no Irã. A maioria foi libertada, mas mais de 80 pessoas foram condenadas a até 15 anos de prisão. Duas pessoas levadas a julgamento depois da eleição foram executadas.

(Reportagem de Ramin Mostafavi e Reza Derakhsi)