Glenn Close faz mapeamento de seus genes

sexta-feira, 12 de março de 2010 12:38 BRT
 

Por Julie Steenhuysen

CHICAGO (Reuters) - O arcebispo Desmond Tutu já fez. O pioneiro de estudos do genoma Craig Venter, também.

Agora a atriz americana Glenn Close juntou-se a um punhado de celebridades que já tiveram seu genoma sequenciado, em nome da ciência.

Estrela do seriado de TV "Damages", da FX, e conhecida por papéis no cinema que incluem "Atração Fatal" e "Ligações Perigosas", Close disse que a oferta foi boa demais para ser recusada.

"Para mim, qualquer coisa que possa ajudar a fazer a ciência avançar vale a pena", disse a atriz em entrevista telefônica. "É bastante sabido que tenho problemas de saúde mental em minha família."

As doenças presentes na família de Glenn Close incluem o transtorno bipolar e a esquizofrenia. Ela é fundadora do grupo sem fins lucrativos BringChange2Mind, que promove a conscientização sobre doenças mentais.

Novas tecnologias de sequenciamento genético realizadas por empresas como a Ilumina, de San Diego, que mapeou o genoma de Close, reduziram em muito o custo de produção do mapa completo do genoma humano - em essência, a receita genética que compõe um indivíduo.

O primeiro mapeamento de um genoma humano custou 3 bilhões de dólares e levou mais de uma década para ser produzido. Já a Illumina cobra 48 mil dólares pelo tipo de sequenciamento feito com Close. A empresa não revelou se cobrou da atriz.

Cientistas dizem que, dentro de cinco anos, as tecnologias cada vez mais novas vão reduzir o preço para 1.000 dólares - basicamente, menos que o custo de uma tomografia computadorizada.   Continuação...

 
<p>A atriz Glenn Close chega &agrave; cerim&ocirc;nia do Emmy em 2009. Close juntou-se a um punhado de celebridades que j&aacute; tiveram seu genoma sequenciado, em nome da ci&ecirc;ncia. 20/09/2009 REUTERS/Danny Moloshok</p>