Artistas espanhóis pedem libertação de presos políticos em Cuba

terça-feira, 16 de março de 2010 11:59 BRT
 

MADRI (Reuters) - Artistas espanhóis assinaram um documento que pede a liberdade para os presos políticos cubanos, uma campanha contra o governo castrista decorrente da morte do dissidente cubano Orlando Zapata durante uma greve de fome.

O manifesto da campanha "Yo acuso al Gobierno cubano" (eu acuso o governo cubano), lançada na sexta-feira passada na página da Internet here, os signatários pedem a liberdade "imediata e incondicional" dos presos políticos cubanos.

Mais de 150 personalidades do mundo da cultura aderiram à campanha, incluindo o cineasta Pedro Almodóvar, os escritores Antonio Muñoz Molina, Elvira Lindo, Rosa Montero, Mario Vargas Llosa, Juan Marsé e Fernando Savater.

Os participantes prestam uma homenagem a Zapata, "injustamente encarcerado e brutalmente torturado nas prisões castristas, morto na greve de fome denunciando estes crimes e a falta de direitos e democracia em seu país".

A campanha já recolheu mais de 5.000 assinaturas entre a população. O manifesto também pede "respeito à vida dos que correm o risco de morrer como ele para impedir que o governo de Fidel e Raúl Castro continue eliminando fisicamente seus críticos e opositores pacíficos, condenando-os a penas de até 28 anos de prisão por 'delitos' de opinião".

A iniciativa tenta pressionar o governo cubano a mudar sua posição, liberando os presos políticos, entre eles Guillermo Fariñas, que começou uma greve de fome dia 24 de fevereiro em protesta pela morte de Zapata.

(Reportagem de Itziar Reinlein)