Jornal chinês compara críticos do iuan a soldados de "Avatar"

quinta-feira, 18 de março de 2010 09:10 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - Primeiro foram os ambientalistas e ativistas da causa indígena; agora é a vez das pressionadas autoridades financeiras chinesas serem comparadas aos gigantes azuis do filme "Avatar".

A edição de quinta-feira do jornal "China Daily" publicou um comentário intitulado "Como os Na'vi, nós iremos decidir, obrigado". O texto ataca os críticos da política cambial chinesa, comparando-os à gananciosa corporação que quase destrói o planeta Pandora no épico em 3D dirigido por James Cameron.

"O som e fúria nos Estados Unidos a respeito da valorização do iuan na China me lembra mais do que qualquer outra coisa de uma cena de 'Avatar' em que os soldados da Terra se preparam para destruir a Árvore das Almas em Pandora", escreveu a comentarista Li Xing.

Ela admitiu, no entanto, que os EUA não estão preparando tropas. "Em 'Avatar', os agressores que gritam 'guerra contra o terror' (...) são principalmente soldados. A coalizão que está pressionando a China a revalorizar sua moeda é mais complexa."

Há anos Washington se queixa que a moeda chinesa está artificialmente desvalorizada, e que isso gera uma vantagem indevida a exportadores da China. As queixas atingiram um novo nível nesta semana, quando o Senado dos EUA começou a examinar um projeto, com amplo apoio bipartidário, que prevê sanções comerciais contra produtos chineses.

A notícia foi mal recebida na China, cujas autoridades culpam a má gestão em Washington e em Wall Street pela crise econômica global, e apontam a pressão pela desvalorização do iuan como uma tentativa de fazer os outros pagarem pelos erros dos EUA.

"Como os Na'vis, a China não está a fim de ser intimidada repetidamente pelo próprio país que levou o mundo à beira da ruína econômica. Os líderes da China e muitos economistas acreditam que a valorização do iuan é uma questão soberana", escreveu Li.

O primeiro-ministro Wen Jiabao negou no domingo que o iuan esteja desvalorizado, e acrescentou que seu governo é contra "politizar" a questão.

"Como os invasores da Terra que são banidos de Pandora... o presidente Barack Obama deveria buscar soluções para os seus problemas domésticos", concluiu o artigo.